sicnot

Perfil

Mundo

Lu-Olo eleito Presidente de Timor à primeira volta

MAST IRHAM

Francisco Guterres Lu-Olo foi eleito Presidente da República de Timor-Leste nas eleições de segunda-feira, segundo os dados oficiais relativos à contagem de 90,09% dos votos.

Quando estão contados 90,09% dos votos, segundo o Secretariado Técnico de Administração Eleitoral (STAE), Lu-Olo lidera a contagem, com 262.147 votos ou 57,42% do total, à frente do segundo classificado, António da Conceição, que tem 147.436 votos ou 32,29% do total.

Para vencer, qualquer candidato teria de obter 50% dos votos válidos mais um, ou 261.289, valor já ultrapassado por Lu-Olo.

Num universo de 743.150 eleitores, mesmo que a taxa de participação nos locais ainda por escrutinar fosse 100%, faltariam contar 73.646 votos, ou seja, menos do que aqueles de que António da Conceição precisaria para evitar a vitória de Lo-Olo.

Dirigentes do Partido Democrático (PD), que apoiou o segundo candidato mais votado nas eleições presidenciais, António da Conceição, já congratularam hoje Francisco Guterres Lu-Olo pela vitória no sufrágio de segunda-feira.

Francisco Guterres Lu-Olo foi apoiado pelos maiores partidos timorenses, Fretilin (Frente Revolucionária de Timor-Leste Independente) e CNRT (Congresso Nacional para a Reconstrução de Timor-Leste).

Cerca das 13:00 locais de hoje (04:00 em Lisboa), e 22 horas depois do fecho das urnas, o escrutínio provisório estava concluído em oito dos 12 municípios, na região especial de Oecusse-Ambeno e nos três centros de votação no estrangeiro (Sydney, Darwin e Lisboa).

Faltava terminar a contagem em Bobonaro, Dili, Ermera e Lautem, municípios onde Lu-Olo lidera também a contagem.

Esta foi a terceira tentativa de Lu-Olo chegar à Presidência da República (perdeu na segunda volta em 2007 e 2012).

Lu-Olo teve o apoio do líder histórico da resistência timorense Xanana Gusmão, do CNRT, que formalizou o apoio ao candidato dando instruções às bases para votarem pelo líder da Fretilin, que, outrora, era o seu principal rival.

António da Conceição, atual ministro da Educação e secretário-geral do PD, teve o apoio do Khunto - força ligada ao grupo de artes marciais Korka - e de alguns militantes do Partido de Libertação do Povo (PLP), força política que poderá vir a ser liderada, depois de 20 de maio, pelo atual chefe de Estado, Taur Matan Ruak.

Conceição enfrentou, porém, alguma divisão interna no PD - alguns dirigentes não apoiaram a ideia de uma candidatura presidencial e questionaram a influência do Khunto, cuja presença em algumas caravanas chegava a ser maioritária.

Houve ainda divisão no PLP, com os veteranos do partido a recusarem apoiar Conceição num combate direto com um companheiro da luta contra a ocupação indonésia.

Lusa

  • Leão de Ouro de Souto de Moura faz "muito bem à alma" dos portugueses
    1:53
  • "Sonho com um futuro melhor", o desejo de um jovem sírio em Portugal
    2:12

    País

    Mais de 50 jovens sírios chegaram esta madrugada a Lisboa, para iniciarem o novo ano letivo, em Portugal. Sonham com um futuro melhor. Sonham com uma educação melhor. Os 54 estudantes vieram ao abrigo do programa lançado pelo antigo Presidente da República, Jorge Sampaio, que nos últimos anos já deu uma nova oportunidade a cerca de 200 alunos.

  • Na linha do triunfo
    16:49
  • Chamas do incêndio no Europa Park na Alemanha atingiram os 15 metros de altura
    0:57