sicnot

Perfil

Mundo

Mergulhador sobrevive a 60 horas preso em gruta

Um mergulhador espanhol sobreviveu depois de 60 horas preso numa gruta subaquática na ilha de Maiorca, em Espanha. No passado sábado Xisco Gràcia viu-se num cenário de terror quando percebeu que a garrafa de oxigénio tinha deixado de funcionar. O colega de mergulho foi forçado a deixá-lo para trás para pedir ajuda.

No entanto, a ajuda demorou a chegar e Xisco Gràcia só conseguiu sair da gruta na passada segunda-feira. A demora do resgate deveu-se à pouca visibilidade da água que foi descrita como 'cacau'.

A Guardia Civil espanhola quer rever os passos dos mergulhadores para saber se pode tirar alguma lição do sucedido, que possa vir a ajudar outros mergulhadores em situações semelhantes. Além disso, também vai ser aberta uma investigação para apurar responsabilidades.

A BBC conta que o mergulhador perdeu a noção do tempo e do espaço e que chegou a ter alucinações. "Pensei que já não me encontravam, foi muito duro a nível psicológico", diz Gràcia.

Numa entrevista dada ao jornal El Mundo, Enrique Ballesteros, membro do Grupo Especial de Actividades Subacuáticas (GEAS), diz que Xisco Grácia só conseguiu sobreviver porque tomou a decisão certa de esperar por ajuda e também pelos trabalho desenvolvido pelas equipas de resgate.

Operação de resgate a Xisco Gràcia:

De acordo com a imprensa, Gràcia é um mergulhador experiente e conhece bem o local onde ficou preso. O espanhol, na casa dos 50 anos de idade, sobreviveu bebendo de uma pequena 'piscina' de água fresca que se situava perto da gruta.

Gràcia foi encontrado a cerca de 40 metros abaixo da superfície, a 900 metros da entrada da gruta, por volta da meia-noite de segunda-feira.

  • Relatório pedido pelo Governo PSD-CDS já apontava falhas no SIRESP
    2:26
  • Santana Lopes rejeita responsabilidades nas falhas do SIRESP
    1:21

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Sobre o relatório do SIRESP, António Vitorino diz que há neste momento um passa culpas entre entidades que só vai contribuir para aumentar o receio das populações perante os incêndios. Pedro Santana Lopes, que era primeiro-ministro quando foi assinado o contrato da rede de comunicações, diz que não sente responsabilidades e defende que o importante é perceber o que há de errado com o SIRESP.

  • Chef russo aconselha bife tártaro aos jogadores portugueses
    1:29