sicnot

Perfil

Mundo

Mortes na Califórnia motivadas por ódio racial

FRESNO POLICE DEPARTMENT / HANDOUT

O homem que na terça-feira matou a tiro três pessoas na cidade californiana de Fresno, EUA, fê-lo motivado por ódio racial contra os brancos, indicou esta quarta-feira o chefe da polícia local, Jerry Dyer.

Kori Ali Muhammad, afro-americano de 39 anos, disparou contra as três vítimas aparentemente ao acaso, depois de tentar matar uma outra pessoa.

Tudo ocorreu em menos de dois minutos e em quatro locais num único quarteirão. O suspeito foi depois detido pela polícia, enquanto gritava "Allahu Akbar" (Deus é grande, em árabe).

"Não cremos que se trate de um ato terrorista. Isto está apenas baseado na raça", disse Dyer aos jornalistas.

Muhammad começou por se aproximar de um camião, disparando contra o funcionário da Pacific Gas & Electric Co. que estava sentado no lugar do passageiro.

O condutor do camião, um latino, acelerou em direção à esquadra da polícia, mas o trabalhador, um branco de 34 anos, acabou por morrer.

Muhammad disparou depois contra outra pessoa, mas falhou, acabando por alvejar outro homem, de 37 anos, que caminhava no passeio com um saco de compras.

A última vítima foi um homem de 58 anos, que se encontrava num parque de estacionamento.

Jerry Dyer disse que Muhammad se aproximou de um veículo entre os disparos, mas poupou a vida de duas mulheres que se encontravam no interior com uma criança. As duas eram latinas.

"Estas pessoas que foram escolhidas não fizeram nada para merecer o que lhes aconteceu" disse Dyer. "Foram ataques sem motivo cometidos por um indivíduo que tinha a intenção de fazer homicídios. Foi o que fez", afirmou.

Lusa

  • O encontro emocionado de Marcelo com a mãe de uma das vítimas dos fogos
    0:30
  • Proteção Civil garante que já não há desaparecidos
    1:40
  • "Depois de sair da autoestrada o vidro do carro ainda estava a ferver"
    2:01
  • "O fogo chegou de repente. Foi um demónio"
    2:15
  • O desabafo de um empresário que perdeu "uma vida inteira de trabalho" no fogo
    2:08
  • O testemunho emocionado de quem perdeu quase tudo
    2:10
  • As comunicações entre operacionais no combate às chamas em Viseu
    2:27
  • Houve "erros defensivos que normalmente a equipa não comete"
    0:38

    Desporto

    No final do jogo, quando questionado sobre a ausência de Casillas no onze do FC Porto, Sérgio Conceição referiu que a equipa apresentada era aquela que lhe oferecia garantias. Quanto ao jogo, o treinador portista reconheceu que a equipa cometeu vários erros defensivos.

  • "Cometemos erros e há que tentar corrigi-los"
    0:41

    Desporto

    No final do jogo em Leipzig, Iván Marcano desvalorizou a ausência de Iker Casillas e entendeu que o facto de o guarda-redes ter ficado no banco não teve impacto na equipa. Já sobre o jogo, o central espanhol garantiu que não correu da forma como os jogadores esperavam.

  • Norte-americana foi à discoteca e tornou-se princesa

    Mundo

    A história de Ariana Austin é quase como um conto de fadas moderno. A jovem vai até ao baile, onde conhece o seu príncipe. Só que a norte-americana foi a uma discoteca e, na altura, não sabia que Joel Makonnen era na verdade um príncipe da Etiópia e que casaria com ele 12 anos depois, tornando-se também ela numa princesa.