sicnot

Perfil

Mundo

Polícia do Egito mata um dos envolvidos em ataque a mosteiro

A polícia do Egito localizou e matou um dos envolvidos no ataque a um posto de controlo próximo do mosteiro de Santa Catarina, no Monte Sinai, em que morreu um agente policial, anunciou esta quarta-feira o Governo egípcio.

O ataque, reivindicado pelo Daesh, causou a morte a um polícia e feriu pelo menos outros três.

Trata-se de uma ação pouco comum do Daesh na região, próxima de destinos turísticos populares na costa do Mar Vermelho.

O Ministério do Interior afirmou que membros de tribos beduínas ajudaram a identificar vários militantes que fugiram do local do ataque.

O Governo egípcio adiantou que as forças de segurança localizaram depois e mataram um dos militantes, mas não especificou o que aconteceu com os outros.

Está a decorrer uma investigação para identificar o militante morto. O monge Damyanos, que vive no mosteiro desde 1963, relatou que o ataque o apanhou de surpresa.

"O mosteiro está muito calmo", descreveu o religioso, com 81 anos, acrescentando que os monges não têm medo e acreditam que Deus os observa.

O mosteiro de Santa Catarina, datado do século VI e classificado como património mundial da Humanidade, localiza-se no sopé do Monte Horeb e é uma das principais atrações turísticas no Sinai do Sul.

O Daesh está mais presente no norte do Sinai, mas os militantes atacam ocasionalmente as regiões do centro e do sul da península.

No ataque de terça-feira, os militantes abriram fogo a partir de um ponto mais elevado em relação ao posto de controlo da polícia, no exterior do mosteiro.

Um grupo que monitoriza a atividade de militantes na Internet afirmou que a agência noticiosa Aamaq, associada ao Daesh, anunciou que o ataque foi perpetrado por elementos desta organização.

O ataque ocorre antes da visita ao Egito do papa Francisco, na próxima semana.

No domingo de Páscoa, bombistas suicidas atacaram duas igrejas coptas nas cidades egípcias de Tanta e de Alexandria, causando 45 mortes, atentados também reivindicados pelo Daesh.

O Daesh prometeu realizar mais ataques contra cristãos no Egito, que representam cerca de 10% da população egípcia, de 92 milhões de pessoas.

Lusa

  • O encontro emocionado de Marcelo com a mãe de uma das vítimas dos fogos
    0:30
  • Proteção Civil garante que já não há desaparecidos
    1:40
  • "Depois de sair da autoestrada o vidro do carro ainda estava a ferver"
    2:01
  • "O fogo chegou de repente. Foi um demónio"
    2:15
  • O desabafo de um empresário que perdeu "uma vida inteira de trabalho" no fogo
    2:08
  • O testemunho emocionado de quem perdeu quase tudo
    2:10
  • As comunicações entre operacionais no combate às chamas em Viseu
    2:27
  • Houve "erros defensivos que normalmente a equipa não comete"
    0:38

    Desporto

    No final do jogo, quando questionado sobre a ausência de Casillas no onze do FC Porto, Sérgio Conceição referiu que a equipa apresentada era aquela que lhe oferecia garantias. Quanto ao jogo, o treinador portista reconheceu que a equipa cometeu vários erros defensivos.

  • "Cometemos erros e há que tentar corrigi-los"
    0:41

    Desporto

    No final do jogo em Leipzig, Iván Marcano desvalorizou a ausência de Iker Casillas e entendeu que o facto de o guarda-redes ter ficado no banco não teve impacto na equipa. Já sobre o jogo, o central espanhol garantiu que não correu da forma como os jogadores esperavam.

  • Norte-americana foi à discoteca e tornou-se princesa

    Mundo

    A história de Ariana Austin é quase como um conto de fadas moderno. A jovem vai até ao baile, onde conhece o seu príncipe. Só que a norte-americana foi a uma discoteca e, na altura, não sabia que Joel Makonnen era na verdade um príncipe da Etiópia e que casaria com ele 12 anos depois, tornando-se também ela numa princesa.