sicnot

Perfil

Mundo

Polícia do Egito mata um dos envolvidos em ataque a mosteiro

A polícia do Egito localizou e matou um dos envolvidos no ataque a um posto de controlo próximo do mosteiro de Santa Catarina, no Monte Sinai, em que morreu um agente policial, anunciou esta quarta-feira o Governo egípcio.

O ataque, reivindicado pelo Daesh, causou a morte a um polícia e feriu pelo menos outros três.

Trata-se de uma ação pouco comum do Daesh na região, próxima de destinos turísticos populares na costa do Mar Vermelho.

O Ministério do Interior afirmou que membros de tribos beduínas ajudaram a identificar vários militantes que fugiram do local do ataque.

O Governo egípcio adiantou que as forças de segurança localizaram depois e mataram um dos militantes, mas não especificou o que aconteceu com os outros.

Está a decorrer uma investigação para identificar o militante morto. O monge Damyanos, que vive no mosteiro desde 1963, relatou que o ataque o apanhou de surpresa.

"O mosteiro está muito calmo", descreveu o religioso, com 81 anos, acrescentando que os monges não têm medo e acreditam que Deus os observa.

O mosteiro de Santa Catarina, datado do século VI e classificado como património mundial da Humanidade, localiza-se no sopé do Monte Horeb e é uma das principais atrações turísticas no Sinai do Sul.

O Daesh está mais presente no norte do Sinai, mas os militantes atacam ocasionalmente as regiões do centro e do sul da península.

No ataque de terça-feira, os militantes abriram fogo a partir de um ponto mais elevado em relação ao posto de controlo da polícia, no exterior do mosteiro.

Um grupo que monitoriza a atividade de militantes na Internet afirmou que a agência noticiosa Aamaq, associada ao Daesh, anunciou que o ataque foi perpetrado por elementos desta organização.

O ataque ocorre antes da visita ao Egito do papa Francisco, na próxima semana.

No domingo de Páscoa, bombistas suicidas atacaram duas igrejas coptas nas cidades egípcias de Tanta e de Alexandria, causando 45 mortes, atentados também reivindicados pelo Daesh.

O Daesh prometeu realizar mais ataques contra cristãos no Egito, que representam cerca de 10% da população egípcia, de 92 milhões de pessoas.

Lusa

  • Younes Abouyaaqoub, o homem mais procurado de Espanha
    1:53
  • Vila de Gavião viu-se cercada pelas chamas
    2:17
  • Costa desafia PSD para pacto depois das autárquicas
    1:14
  • Hino da SIC tocado pela viola beiroa
    2:22