sicnot

Perfil

Mundo

Dois novos medicamentos podem travar doenças degenerativas como a demência

Investigadores britânicos afirmam ter descoberto dois medicamentos para travar todas as doenças neurodegenerativas, como a demência, noticiou hoje a BBC.

Em 2013, cientistas do Conselho de Investigação Médica do Reino Unido conseguiram pela primeira vez abrandar a morte de neurónios num animal, com um composto que não podia ser usado por seres humanos.

Agora, experimentaram dois novos medicamentos com o mesmo efeito que já foram testados em seres humanos.

A toxicóloga Giovanna Mallucci afirmou que os ensaios clínicos com doentes começarão "em dois ou três anos" em pessoas com demência, para saber se são mesmo eficazes.

Os medicamentos baseiam-se em mecanismos de defesa naturais dos neurónios, que quando são afetados por vírus, começam a acumular proteínas virais e deixam de fabricar aquelas de que precisam para funcionar, acabando por morrer.

A morte das células cerebrais leva à perda de memória, movimento e até à morte, dependendo do tipo de doença do espectro da demência.

Dos dois medicamentos, um costuma ser usado em pacientes com depressão e outro em casos de cancro.

Giovanna Mallucci destacou que é improvável conseguir curar completamente as doenças neurodegenerativas, mas atrasar o seu avanço torna a demência "completamente diferente, algo com que se consegue viver".

Lusa

  • Caixa multibanco assaltada em Portugal a cada dois dias
    2:43

    País

    O semanário Expresso conta que a mulher que morreu vítima de um disparo de agentes da PSP foi atingida pelas costas. O caso está a ser investigado pela PJ, que procura encaixar as peças da noite que acabou com uma morte inocente mas que começou com uma perseguição a um grupo de assaltantes de um multibanco. Assaltos que são cada vez mais comuns e que preocupam o Governo. A cada dois dias, uma caixa é assaltada.

  • Metro de Lisboa vai reduzir consumo de água

    País

    O Metro de Lisboa colocou em prática um programa para reduzir o consumo de água devido à situação de seca em Portugal, respondendo assim ao apelo do Ministério do Ambiente, segundo um comunicado divulgado este sábado.