sicnot

Perfil

Mundo

Facebook quer que utilizadores "escrevam com o cérebro"

Um projeto do departamento de hardware da rede social Facebook, divulgado esta quarta-feira, pretende que os utilizadores, através da tecnologia, consigam controlar computadores diretamente com o cérebro, interpretando e produzindo mensagens.

A BBC explica que o projeto, que ainda se encontra numa fase inicial, vai requerer novas tecnologias que permitam detetar ondas cerebrais sem a necessidade de recorrer a cirurgias invasivas.

A conferência decorreu em San Jose, na Califórnia.

A conferência decorreu em San Jose, na Califórnia.

Stephen Lam

Stephen Lam

"Não queremos descodificar os pensamentos aleatórios das pessoas", esclarece Regina Dugan, diretora do Building 8, o departamento do Facebook responsável por este projeto.

Stephen Lam

A responsável resume o projeto como uma espécie de "rato cerebral para uma realidade aumentada", que envolve elementos reais e virtuais. Desta forma, seria possível digitar 100 palavras por minuto usando apenas o cérebro (cinco vezes mais depressa que a velocidade a que escrevemos nos nossos telemóveis).

Na véspera, o fundador da rede social, Mark Zuckerberg, já tinha anunciado que o Facebook tinha vindo a estudar "interfaces cerebrais" que um dia permitirão às pessoas "comunicar usando apenas a mente".

Stephen Lam

Atualmente já existem tecnologias de controlo externo do cérebro no mercado, mas ainda demasiado simplistas e insuficientes para este tipo de evolução.

  • Frio no fim de semana, regiões do interior podem chegar aos -5 °C
    1:23

    País

    A Proteção Civil emitiu um alerta para o tempo frio e seco e pede cuidados redobrados. As temperaturas já começaram a descer, com regiões a registarem valores negativos. No interior, podem chegar aos 5 graus negativos. Até ao Natal o tempo vai manter-se frio, seco e com ausência de chuva.

  • Bombeiro ferido nos fogos de Pedrógão Grande regressou a casa
    2:33

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Seis meses depois dos incêndios de Pedrógão Grande, regressou a casa o último dos bombeiros de Castanheira de Pera que estava internado desde junho. Rui Rosinha esteve em coma mais de dois meses e tem ainda pela frente uma longa recuperação. O bombeiro não quer que o país esqueça o que aconteceu e espera que as duas tragédias deste ano (fogos de junho e outubro) sirvam de lição para o futuro.

  • PS volta a subir nas intenções de voto e não baixa dos 40%
    2:01
  • Marcelo evita "ideia de que o ano foi todo muito bom"
    3:14

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa disse esta sexta-feira que 2017 teve "o melhor e o pior" e que "é preciso evitar a "ideia que o ano foi todo muito bom". O Presidente da República fez estas declarações depois de António Costa ter dito que a nível económico este "foi um ano particularmente saboroso".