sicnot

Perfil

Mundo

Testemunhas de Jeová banidas da Rússia

O Supremo Tribunal da Rússia proibiu esta quinta-feira as Testemunhas de Jeová de qualquer atividade no país, ao aceitar um requerimento do ministério da Justiça para que a organização religiosa fosse considerada um grupo extremista.

O tribunal ordenou o encerramento da sede central do grupo e das suas 395 secções na Rússia, e a confiscação das respetivas propriedades.
De acordo com a agência noticiosa Interfax, a advogada do ministério da Justiça, Svetlana Borisova, considerou perante o tribunal que as Testemunhas de Jeová colocavam uma ameaça à população da Rússia.


"Constituíam uma ameaça aos direitos dos cidadãos, à ordem pública e à segurança pública", disse em declarações na instância judicial.
Borisova também considerou que a recusa das Testemunhas de Jeová às transfusões de sangue também viola as leis russas sobre cuidados de saúde.


As Testemunhas de Jeová reivindicam mais de 170.000 seguidores na Rússia. Desde há um ano que o grupo tem sido submetido a intensa pressão, incluindo a proibição de distribuir literatura que supostamente violaria as leis anti-extremistas em vigor no país.

Lusa

  • Confirmados dois novos casos de legionella

    Legionella

    Dois novos casos de legionella foram esta quarta-feira confirmados. A informação foi avançada em comunicado pela Direção-Geral da Saúde. Tratam-se de duas pessoas com mais de 80 anos, internadas no Hospital São Francisco Xavier e no Egas Moniz, ambas em situação clínica estável.

  • Quem é o novo Presidente do Zimbabué?
    2:15

    Mundo

    Emmerson Mnangagwa é o sucessor de Robert Mugabe que regressou esta quarta-feira da África do Sul, onde estava refugiado. No primeiro discurso, o Presidente do Zimbabué falou de uma nova democracia no país. Mnangagwa, conhecido como crocodilo, é suspeito de atrocidades na guerra civil pós-independência. 

  • Diminuem as hipóteses de salvar os tripulantes a bordo do submarino argentino
    3:09

    Mundo

    As hipóteses de salvar os tripulantes a bordo do submarino argentino, desaparecido há 8 dias, começaram a diminuir, uma vez que o chamado "tempo de segurança" já foi ultrapassado. A Marinha portuguesa está a acompanhar o caso do submarino que está desaparecido há oito dias. As hipóteses de salvar os tripulantes vão diminuindo.

  • Comprar um carro em segunda mão sem ser enganado 
    8:44
  • O que aprendemos com secas anteriores?
    32:50