sicnot

Perfil

Mundo

Tribunal italiano reconhece ligação entre uso excessivo do telemóvel e tumor

Susana Vera / Reuters

Um tribunal italiano reconheceu a ligação entre o aparecimento de um tumor benigno no cérebro e a utilização excessiva do telemóvel num homem e determinou que lhe seja paga uma pensão mensal até ao fim da vida.

A decisão, tomada pelo tribunal de Ivrea, norte de Itália, a 11 de abril, reconhece haver relação entre o aparecimento de um neurinoma num homem de 57 anos cujo trabalho numa grande empresa o obrigava a usar o telemóvel três a quatro horas por dia durante 15 anos.

O "veredito reconhece a relação de causalidade entre uma utilização inapropriada do telemóvel e um tumor cerebral", anunciaram os advogados do queixoso. "É preciso refletir sobre este problema e tomar medidas", acrescentaram.

As partes podem recorrer da decisão.O tumor, diagnosticado em 2010, é benigno, mas teve de ser removido cirurgicamente num procedimento que, por implicar a retirada do nervo acústico, provoca surdez.

O especialista nomeado pelo tribunal determinou uma incapacidade de 23% e o coletivo condenou o Instituto Nacional de Seguro contra Acidentes de Trabalho (INAIL) a pagar uma indemnização vitalícia de 500 euros mensais.

Os estudos realizados até ao momento não permitem tirar uma conclusão definitiva sobre a eventual relação entre cancro e o uso excessivo do telemóvel.

Até ao momento, os especialistas admitem apenas que uma tal relação é possível, pelo que devem ser realizados mais estudos e, como precaução, devem preferir-se os kits mãos-livres e as mensagens - sms.

Lusa

  • Coreia do Norte foi "isolada à força"

    Mundo

    O empresário espanhol León Smit, que organiza visitas à Coreia do Norte, diz que o país foi "isolado à força", sendo "muito difícil" estabelecer relações comerciais com Pyongyang, sob o regime de Kim Jong-un.

  • Fuga de Vale de Judeus em junho de 1975 no Perdidos e Achados
    0:36

    Perdidos e Achados

    Prisão Vale de Judeus, final de tarde de domingo, dia 29 de junho de 1975. O plano da fuga terá sido desenhado por uma vintena de homens. Serrada a presiana metálica era preciso passar, para fora do edifício, as cabeceiras dos beliches onde os presos dormiam. Ao longo de cerca de uma hora 89 detidos, agentes da PIDE/DGS, a Polícia Internacional e de Defesa do Estado português extinta depois da revolução de 1974, fogem do estabelecimento prisional.

    Segunda-feira no Jornal da Noite