sicnot

Perfil

Mundo

UE pede um travão para a violência na Venezuela

Carlos Eduardo Ramirez

A União Europeia condenou esta quinta-feira os atos de violência "deploráveis" registados na Venezuela, entre opositores e apoiantes do Governo de Nicolás Maduro, e apelou "a todos os venezuelanos" para que se reúnam com vista a pôr um travão na situação.

Numa declaração à agência noticiosa francesa AFP, uma porta-voz para os Negócios Estrangeiros disse que a UE segue com preocupação a situação na Venezuela, onde pelo menos duas pessoas morreram e várias ficaram feridas durante protestos realizados um pouco por todo o país, e exortou "todas as partes envolvidas, incluindo os membros das forças de segurança", a "atuar em pleno respeito pelo Estado de direito e pelos direitos humanos".

"Apelamos a todos os venezuelanos para que se reúnam para (permitir) um acalmar da situação e com vista a encontrar soluções democráticas no quadro constitucional", disse a mesma porta-voz, sublinhando que "apenas um compromisso pacífico e construtivo pode travar a deterioração da situação" no país.

A UE reclama ainda "um inquérito sobre as mortes e atos de violência ocorridos durante as manifestações", de modo a que "os responsáveis sejam levados perante a justiça".

Um jovem de 17 anos e uma mulher de 23 morreram na quarta-feira, durante protestos convocados para toda a Venezuela pela aliança Mesa para a União Democrática (MUD, oposição), que apelou aos venezuelanos para prosseguirem hoje as manifestações pacíficas e repetirem a marcha da véspera, popularmente chamada de a "mãe das marchas".

Dezenas de milhares de venezuelanos saíram na quarta-feira para as ruas de algumas das principais cidades do país para protestar contra o que dizem ser uma rutura constitucional, e para pedirem o fim da "ditadura" e a realização de eleições livres.

Os manifestantes protestaram ainda por duas recentes sentenças em que o Supremo Tribunal de Justiça concedeu poderes especiais ao chefe de Estado, limitou a imunidade parlamentar e assumiu as funções do parlamento.

Lusa


  • Três pessoas morreram nos protestos contra governo venezuelano
    2:10

    Mundo

    Só em Caracas foram 100 mil os que saíram à rua, esta quinta-feira, num protesto contra o governo de Maduro que resiste, apesar da crise profunda. Na Venezuela falta praticamente tudo. Por todo o país, as manifestações foram reprimidas e pelo menos três pessoas morreram, dois civis e um militar.

  • Mais de 400 detidos após manifestação anti-Maduro

    Mundo

    Mais de 400 pessoas foram detidas pelas autoridades venezuelanas após as manifestações contra o Presidente Nicolás Maduro esta quarta-feira, que foram reprimidas pela Guarda Nacional Bolivariana (GNB, polícia militar). Segundo o diretor da organização não-governamental Foro Penal Venezuelano a repressão está a aumentar na Venezuela.

  • O encontro emocionado de Marcelo com a mãe de uma das vítimas dos fogos
    0:30
  • Proteção Civil garante que já não há desaparecidos
    1:40
  • "Depois de sair da autoestrada o vidro do carro ainda estava a ferver"
    2:01
  • "O fogo chegou de repente. Foi um demónio"
    2:15
  • O desabafo de um empresário que perdeu "uma vida inteira de trabalho" no fogo
    2:08
  • O testemunho emocionado de quem perdeu quase tudo
    2:10
  • As comunicações entre operacionais no combate às chamas em Viseu
    2:27
  • Houve "erros defensivos que normalmente a equipa não comete"
    0:38

    Desporto

    No final do jogo, quando questionado sobre a ausência de Casillas no onze do FC Porto, Sérgio Conceição referiu que a equipa apresentada era aquela que lhe oferecia garantias. Quanto ao jogo, o treinador portista reconheceu que a equipa cometeu vários erros defensivos.

  • "Cometemos erros e há que tentar corrigi-los"
    0:41

    Desporto

    No final do jogo em Leipzig, Iván Marcano desvalorizou a ausência de Iker Casillas e entendeu que o facto de o guarda-redes ter ficado no banco não teve impacto na equipa. Já sobre o jogo, o central espanhol garantiu que não correu da forma como os jogadores esperavam.

  • Norte-americana foi à discoteca e tornou-se princesa

    Mundo

    A história de Ariana Austin é quase como um conto de fadas moderno. A jovem vai até ao baile, onde conhece o seu príncipe. Só que a norte-americana foi a uma discoteca e, na altura, não sabia que Joel Makonnen era na verdade um príncipe da Etiópia e que casaria com ele 12 anos depois, tornando-se também ela numa princesa.