sicnot

Perfil

Mundo

Ex-emigrantes madeirenses tentam ajudar familiares na Venezuela enviando medicamentos

CRISTIAN HERNANDEZ

A comunidade de ex-emigrantes madeirenses na Venezuela, atualmente estabelecida na região autónoma, encara com grande apreensão o caos social e económico em que mergulhou o país e procura ajudar familiares e amigos, sobretudo através do envio de medicamentos.

"A minha família está a viver uma situação difícil e, às vezes, eu envio daqui medicamentos, porque lá não há", disse a agência Lusa Gilda Pereira, que tem 64 anos e viveu quatro décadas na Venezuela, tendo regressado à ilha há 14 anos.

Gilda Pereira explicou que os seus familiares: irmãos, sobrinhos e cunhados, queixam-se sobretudo da insegurança, mas também da falta de alimentos e de medicamentos.

"Eu mando medicamentos para a tensão e para a diabetes, porque não podem passar sem eles", disse, sublinhando que recorre a amigos para fazer o transporte, pois o serviço de correio não é eficaz.

No entanto, o processo nem sempre é fácil, pois os emigrantes que vêm de visita à Madeira regressam à Venezuela "cheios de encomendas", enfrentando depois problemas para entrar no país, onde os fármacos podem ser confiscados.

"Mas há sempre uma pessoa amiga que leva uma caixinha e outra leva outra e assim vai andando", disse Gilda Pereira.

Olavo Manica, ex-emigrante na Venezuela e responsável pelo Centro Social das Comunidades Madeirenses, um clube situado no Funchal, considerou, por seu lado, que a carência de medicamentos é a "parte mais criminal" do Governo de Nicolás Maduro.

"A falta de alimentação é triste, mas a falta de medicamentos é crime", disse, realçando que muitas pessoas vêm de férias à Madeira e os familiares só lhes pedem medicamentos, sobretudo para o tratamento de doenças crónicas como hipertensão, diabetes e cancro.

"Alguns não conseguem levar tudo, porque têm medo, porque podem chegar lá e serem-lhes retiradas as encomendas, ou então têm de entregar algum dinheiro à parte para poder passar", explicou.

O Centro Social das Comunidades Madeirenses participou, em 2016, numa recolha de medicamentos promovida pela Venexos - Associação de Ajuda Humanitária ao Venezuelano - que enviou para o país 500 quilos de fármacos, 150 dos quais recolhidos na região autónoma, de onde é oriunda a maior parte da comunidade portuguesa (cerca de 300 mil pessoas).

"Nós não conseguimos reencaminhar os medicamentos pessoa a pessoa. Isso seria um processo muito complicado. Por isso, o que fizemos foi encaminhá-los para três instituições venezuelanas", explicou Nataly Pestana, representante na Madeira da Venexos.

Nataly Pestana, que nasceu na Venezuela há 37 anos e vive na região há 15, realçou que a associação tem informação segura de que os medicamentos chegaram ao destino e que as pessoas conseguem aceder aos mesmos mediante identificação e apresentação de receita médica.

"Os medicamentos não se destinam apenas aos emigrantes portugueses, como muita gente pensa, pois isso implicava a existência de uma equipa bem coordenada do lado de lá, coisa que não temos", explicou, realçando que não é apenas a comunidade portuguesa que está a passar um "mau bocado", mas todo o povo venezuelano.

Por outro lado, Hélder Pestana, que tem 62 anos e viveu 34 na Venezuela, não pensa de momento regressar "nem em passeio", mas continua apostado em ajudar os familiares.

"Tenho um tio para quem temos de mandar os remédios. A última vez que o fizemos foi na semana passada e foi por correio", explicou, realçando, no entanto, estar consciente de que este sistema não é seguro.

Hélder Pestana sabe que é possível enviar as encomendas em mão, mas o facto é que as pessoas chegam à Madeira "já cheias de pedidos".

"Para já, o correio é a única saída. Se a encomenda chegar, chegou. Se não chegar, tentamos mandar outra vez", disse, com um encolher de ombros. E acrescentou: "Nos correios daqui, ainda podemos reclamar. Mas nos correios de lá, não há nada a fazer".

Lusa

  • Venezuela pede ajuda à ONU

    Mundo

    O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, anunciou esta sexta-feira que pediu ajuda à Organização das Nações Unidas (ONU) para normalizar de maneira permanente a disponibilidade de medicamentos no setor farmacêutico e no programa governamental de saúde "Dentro do Bairro".

  • Presidente do Sporting vai processar um dos sócios do clube
    0:42

    Desporto

    Bruno de Carvalho anunciou esta sexta-feira que vai processar o sócio José Pedro Rodrigues. O presidente do Sporting acusa o sócio de ter posto a circular um documento falso que revelava que Bruno de Carvalho estaria a ser investigado por causa das transferências de Bruno César e Alan Ruiz. O caso fez Bruno de Carvalho tomar uma decisão sobre o futuro.

  • Bruno de Carvalho contra almoço de Dias da Cunha e Menezes Rodrigues com Luís Filipe Vieira
    1:17

    Desporto

    Bruno de Carvalho insurgiu-se, esta sexta-feira, contra Dias da Cunha e Menezes Rodrigues por terem estado, em Setúbal, num almoço com Luís Filipe Vieira. Durante o discurso na Assembleia-geral do clube, o presidente dos leões considerou lamentável a atitude dos dois sportinguistas numa altura em que o Benfica é acusado pelos rivais de poder estar envolvido num alegado esquema de corrupção e tráfico de influências.

  • PJ investiga forma como o FC Porto obteve os e-mails
    1:58

    Desporto

    Enquanto o campeonato português de futebol está de férias do relvado, nos bastidores continua uma guerra aberta por causa dos e-mails. O FC Porto entregou à Polícia Judiciária toda a documentação disponível do chamado caso dos e-mails, que envolve o Benfica num alegado esquema de corrupção. O pedido foi feito pela Unidade Nacional de Combate à Corrupção da PJ. A forma como o FC Porto obteve os e-mails também está a ser investigada pela Polícia Judiciária.

  • Atirador canadiano mata combatente do Daesh a 3,5km de distância

    Mundo

    Um atirador das Forças Especiais do Canadá matou um combatente do Daesh com um tiro disparado a 3,5 quilómetros de distância, no passado mês de maio, no Iraque. O Comando de Operações Especiais canadiano garantiu à BBC que a distância do disparo, realizado com sucesso, é já considerada um recorde na história militar.

  • Revelada a verdadeira identidade de Banksy?

    Cultura

    O músico e produtor Goldie pode ter revelado a identidade do artista mais conhecido por Banksy, durante uma entrevista ao podcast do rapper Scroobius Pip. Goldie referiu Robert Del Naja de forma acidental e os fãs acreditam que a identidade do artista britânico foi finalmente desvendada.

  • "Mãe, por favor, para de dizer asneiras. Não quero que leves um tiro"
    0:51

    Mundo

    O Departamento de Investigação da Polícia do Minnesota divulgou esta sexta-feira um vídeo com imagens de um incidente que levou à morte de um afro-americano pela polícia, nos Estados Unidos da América. Em julho de 2016 um polícia atingiu mortalmente Philando Castile, de 32 anos, durante uma operação de controlo rodoviário. O homem procurava os documentos de identificação quando o polícia disparou quatro tiros. Nas imagens é possível ver o desespero da filha da companheira de Philiando Castile, minutos depois de ter visto o padrasto a morrer. O agente responsável pela morte de Castile foi absolvido pelo Tribunal na semana passada.

  • Depois da "provocação", o acidente em cadeia
    0:43

    Mundo

    Um vídeo de um acidente numa autoestrada em Santa Clarita, na Califórnia (EUA), está a tornar-se viral nas redes sociais. Nas imagens é possível ver um motociclista a dar um pontapé num carro que seguia à sua frente. Como forma de "retribuição", o carro vira na direção da mota mas bate no separador e depois numa carrinha que acabou por capotar. Segundo a imprensa norte-americana o condutor da carrinha foi levado para o hospital com ferimentos ligeiros. Já a pessoa que conduzia a mota seguiu o seu caminho. 

  • Johnny Depp pede desculpa por piada a sugerir assassínio de Trump

    Mundo

    Johnny Depp pediu esta sexta-feira desculpa por ter feito uma piada sobre assassinar Donald Trump, durante a sua atuação no Festival de Glastonbury, em Inglaterra. "Quando foi a última vez que um ator assassinou um Presidente?", foi assim que o ator e músico falou para a multidão que o estava a ver. Contudo, as declarações não foram bem recebidas pela Casa Branca, que emitiu um comunicado a condenar as palavras.