sicnot

Perfil

Mundo

Ex-emigrantes madeirenses tentam ajudar familiares na Venezuela enviando medicamentos

CRISTIAN HERNANDEZ

A comunidade de ex-emigrantes madeirenses na Venezuela, atualmente estabelecida na região autónoma, encara com grande apreensão o caos social e económico em que mergulhou o país e procura ajudar familiares e amigos, sobretudo através do envio de medicamentos.

"A minha família está a viver uma situação difícil e, às vezes, eu envio daqui medicamentos, porque lá não há", disse a agência Lusa Gilda Pereira, que tem 64 anos e viveu quatro décadas na Venezuela, tendo regressado à ilha há 14 anos.

Gilda Pereira explicou que os seus familiares: irmãos, sobrinhos e cunhados, queixam-se sobretudo da insegurança, mas também da falta de alimentos e de medicamentos.

"Eu mando medicamentos para a tensão e para a diabetes, porque não podem passar sem eles", disse, sublinhando que recorre a amigos para fazer o transporte, pois o serviço de correio não é eficaz.

No entanto, o processo nem sempre é fácil, pois os emigrantes que vêm de visita à Madeira regressam à Venezuela "cheios de encomendas", enfrentando depois problemas para entrar no país, onde os fármacos podem ser confiscados.

"Mas há sempre uma pessoa amiga que leva uma caixinha e outra leva outra e assim vai andando", disse Gilda Pereira.

Olavo Manica, ex-emigrante na Venezuela e responsável pelo Centro Social das Comunidades Madeirenses, um clube situado no Funchal, considerou, por seu lado, que a carência de medicamentos é a "parte mais criminal" do Governo de Nicolás Maduro.

"A falta de alimentação é triste, mas a falta de medicamentos é crime", disse, realçando que muitas pessoas vêm de férias à Madeira e os familiares só lhes pedem medicamentos, sobretudo para o tratamento de doenças crónicas como hipertensão, diabetes e cancro.

"Alguns não conseguem levar tudo, porque têm medo, porque podem chegar lá e serem-lhes retiradas as encomendas, ou então têm de entregar algum dinheiro à parte para poder passar", explicou.

O Centro Social das Comunidades Madeirenses participou, em 2016, numa recolha de medicamentos promovida pela Venexos - Associação de Ajuda Humanitária ao Venezuelano - que enviou para o país 500 quilos de fármacos, 150 dos quais recolhidos na região autónoma, de onde é oriunda a maior parte da comunidade portuguesa (cerca de 300 mil pessoas).

"Nós não conseguimos reencaminhar os medicamentos pessoa a pessoa. Isso seria um processo muito complicado. Por isso, o que fizemos foi encaminhá-los para três instituições venezuelanas", explicou Nataly Pestana, representante na Madeira da Venexos.

Nataly Pestana, que nasceu na Venezuela há 37 anos e vive na região há 15, realçou que a associação tem informação segura de que os medicamentos chegaram ao destino e que as pessoas conseguem aceder aos mesmos mediante identificação e apresentação de receita médica.

"Os medicamentos não se destinam apenas aos emigrantes portugueses, como muita gente pensa, pois isso implicava a existência de uma equipa bem coordenada do lado de lá, coisa que não temos", explicou, realçando que não é apenas a comunidade portuguesa que está a passar um "mau bocado", mas todo o povo venezuelano.

Por outro lado, Hélder Pestana, que tem 62 anos e viveu 34 na Venezuela, não pensa de momento regressar "nem em passeio", mas continua apostado em ajudar os familiares.

"Tenho um tio para quem temos de mandar os remédios. A última vez que o fizemos foi na semana passada e foi por correio", explicou, realçando, no entanto, estar consciente de que este sistema não é seguro.

Hélder Pestana sabe que é possível enviar as encomendas em mão, mas o facto é que as pessoas chegam à Madeira "já cheias de pedidos".

"Para já, o correio é a única saída. Se a encomenda chegar, chegou. Se não chegar, tentamos mandar outra vez", disse, com um encolher de ombros. E acrescentou: "Nos correios daqui, ainda podemos reclamar. Mas nos correios de lá, não há nada a fazer".

Lusa

  • Venezuela pede ajuda à ONU

    Mundo

    O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, anunciou esta sexta-feira que pediu ajuda à Organização das Nações Unidas (ONU) para normalizar de maneira permanente a disponibilidade de medicamentos no setor farmacêutico e no programa governamental de saúde "Dentro do Bairro".

  • Quem deve ser o próximo treinador do FC Porto?

    Desporto

    Nuno Espírito Santo já não é treinador do FC Porto. O técnico e o clube chegaram a acordo mútuo para a rescisão do contrato, que o ligava por mais uma temporada aos dragões. Nuno Pinto da Costa tem agora que encontrar um novo treinador para orientar dos "dragões". Os nomes em cima da mesa são vários. Diga-nos quem deve ser o novo treinador do FC Porto.

  • Os treinadores do FC Porto desde o último título 

    Desporto

    Nunca o FC Porto esteve quatro anos consecutivos sem ganhar um título durante a presidência de Nuno Pinto da Costa. A ausência de vitórias teve início na época de 2013/14, quando começou uma autêntica dança de treinadores.

  • Julgamento do caso BPN deverá terminar quarta-feira
    4:38

    Economia

    O acórdão do processo principal do BPN vai ser tornado público esta quarta-feira, depois de quase sete anos de audições. O rosto principal é o de José Oliveira Costa mas há outros 14 arguidos sentados no banco dos réus.

  • "Michel Temer nunca teve vergonha, não tem cara de pessoa de bem"
    3:04

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou no habitual espaço de comentário do Jornal da Noite  da SIC, o escândalo com o Presidente do Brasil, Michael Temer. O comentador diz que já era previsível que Temer fosse apanhado com "o pé na poça" e afirma que o Presidente brasileiro nunca teve qualquer tipo de vergonha. Miguel Sousa Tavares fez ainda referência ao facto de Dilma Rousseff ser, entre todos os políticos brasileiros, a única que não tem processos contra ela.

    Miguel Sousa Tavares

  • Divulgado vídeo dos bambardeamentos contra o Daesh no Iraque
    0:42
  • Leão-marinho arrasta criança de doca em Vancouver
    0:51

    Mundo

    O momento em que um leão-marinho arrasta uma menina para a água foi gravado e publicado na internet. Sem nada que fizesse prever, o animal puxou a criança que estava sentada numa doca em Vancouver, no Canadá. A criança foi resgatada de imediato por um familiar e apesar do susto não sofreu ferimentos. O momento de aflição foi testemunhado por vários turistas.