sicnot

Perfil

Mundo

Homem que se entregou na Bélgica não está envolvido em ataque de Paris

Reuters TV

As autoridades belgas esclareceram hoje que o homem belga implicado por suspeitas de ligação ao tiroteio desta quinta-feira à noite em Paris e que, entretanto, se entregou não está relacionado com o atentado nos Campos Elísios.

"Esse homem veio à polícia ontem à noite depois de se ver aparecer nas redes sociais como o principal suspeito relacionado com os factos de ontem", informou um procurador belga na cidade de Antuérpia, citado pela agência Associated Press, que recusou ser identificado.

O mesmo responsável deixou claro que o homem "não faz parte de uma investigação de terrorismo".

O próprio ministro belga da Justiça, Koen Geens, afirmou esta manhã ao canal belga de televisão VRT que, no momento das suas declarações, não havia "qualquer informação" sobre a ligação entre os dois casos.

Esta manhã, o porta-voz do Ministério francês do Interior, Pierre-Henry Brandet, citado pela emissora "France Info", disse que um suspeito tinha sido sinalizado pelos serviços secretos belgas às autoridades francesas depois do ataque de quinta-feira, em que um polícia foi morto e dois ficaram feridos antes de o autor dos disparos ser abatido pelas forças de segurança.

Brandet sublinhou também ser "demasiado cedo" para dizer se esse homem estaria "muito ou pouco" ligado aos acontecimentos nos Campos Elísios, acrescentando haver ainda "um conjunto de informações a verificar", sendo que a investigação francesa não se permitia "fechar qualquer porta".

No mesmo sentido, um porta-voz do Ministério Público belga disse à AFP que "a única coisa" que podia dizer à hora em que foi interrogado, "9:15 desta manhã", é que não havia "ligação entre esse acontecimento [o tiroteio em Paris] e a Bélgica", ainda que "o inquérito [belga] prossiga em estreita colaboração com os investigadores franceses".

Um polícia foi morto e dois ficaram gravemente feridos na quinta-feira à noite, quando um homem disparou contra o veículo em que seguiam na avenida dos Campos Elísios, no centro de Paris.

O atacante foi morto por outros agentes da polícia francesa e um transeunte foi também atingido.

"O agressor chegou de carro, saiu. Abriu fogo contra o carro da polícia com uma arma automática, matou um dos polícias", disse fonte policial citada pela AFP.

Uma turista ficou "ligeiramente ferida por bala" durante a troca de tiros, acrescentou outra fonte policial.

O Presidente francês, François Hollande, que convocou um Conselho de Segurança para a manhã de hoje, afirmou que o caso está a ser investigado pela secção antiterrorista da procuradoria de Paris e que as pistas que poderão conduzir a investigação "são de ordem terrorista".

O grupo extremista Daesh reivindicou já o ataque, através de um comunicado divulgado pelo órgão de propaganda do EI, a Amaq:

"O autor do ataque nos Campos Elísios, no centro de Paris, é Abu Yussef, 'o Belga', e é um dos combatentes do Estado Islâmico".

As autoridades francesas afirmaram que o autor do ataque estava identificado como extremista por ter manifestado a intenção de matar polícias, segundo fontes próximas do inquérito, citadas pela AFP.

O ataque ocorre a três dias da primeira volta das eleições presidenciais em França, em que a segurança é um dos temas em destaque, após vários ataques terroristas no país nos últimos anos.

Lusa

  • Relato do tiroteio na noite passada nos Campos Elísios, em Paris
    2:39

    Mundo

    Dois mortos, um ferido grave e dois ligeiros é o resultado de um tiroteio nos Campos Elísios, em Paris, na noite passada. O suspeito foi abatido pelas autoridades. O Daesh reivindicou entretanto a autoria do ataque que aconteceu a três dias da primeira volta das eleições presidenciais em França.

  • Cazeneuve anuncia reforço da segurança
    1:14

    Mundo

    O primeiro-ministro francês anunciou hoje o reforço da segurança antes da primeira volta das presidenciais, na sequência do atentado de ontem. Bernard Cazeneuve diz que a nação está solidária com as vitimas e as famílias e elogiou a forma como a policia tem sabido responder à ameaça do terrorismo no país.

  • Marine Le Pen teme novos atentados
    1:15

    Mundo

    A candidata às presidenciais francesas Marine Le Pen diz que tem conhecimento de que o Daesh enviou para Paris um outro militante para cometer mais ataques e que esse suspeito ainda não foi identificado. Em entrevista, esta manhã, a líder da Frente Nacional acrescentou que os franceses têm de estar alerta para o risco de novos atentados terroristas.

  • Marcelo Rebelo de Sousa transmitiu condolências a Hollande

    Mundo

    O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, enviou na quinta-feira uma mensagem de condolências ao Presidente francês, François Hollande, face ao atentado em Paris, que provocou dois mortos."Foi com grande consternação que tomei conhecimento do atentado terrorista que acaba a ocorrer em Paris, em plenos Campos Elísios", escreveu Marcelo Rebelo de Sousa, na página da 'internet' da Presidência da República.

  • Debate quinzenal com o primeiro-ministro

    País

    Dia de debate quinzenal na Assembleia da República, que deve ficar marcado pela saída de Portugal do Procedimento por Défice Excessivo. Veja aqui em direto e acompanhe a discussão no Minuto a Minuto SIC/Parlamento Global.

    Direto

  • Morreu Roger Moore

    Cultura

    O ator britânico Roger Moore, conhecido pelos filmes de James Bond e a série "O Santo", morreu hoje, na Suíça, na sequência de um cancro. Tinha 89 anos.

  • Lesados do Banif ouvidos pela PJ
    1:42

    Economia

    A Unidade de Combate à Corrupção está na Madeira para recolher depoimentos de lesados do Banif e é a primeira diligência da Polícia Judiciária depois de uma queixa apresentada por 100 ex-clientes do banco. Os ex-clientes falam de falsificação de documentos, burla e associação criminosa.

  • Julgamento do caso BPN deverá terminar quarta-feira
    4:38

    Economia

    O acórdão do processo principal do BPN vai ser tornado público esta quarta-feira, depois de quase sete anos de audições. O rosto principal é o de José Oliveira Costa mas há outros 14 arguidos sentados no banco dos réus.