sicnot

Perfil

Mundo

Papel a defender o Daesh encontrado junto ao atacante de Paris

Christian Hartmann

Um papel manuscrito de apoio ao Daesh foi encontrado perto do corpo do autor do tiroteio de quinta-feira nos Campos Elísios, em Paris, que resultou na morte de um polícia, indicaram os media locais.

Os investigadores estão a analisar essa prova, assim como outras encontradas no interior do veículo em que o atacante se dirigiu ao local onde cometeu o atentado, pouco depois reivindicado pelo Daesh.


Karim C., francês de 39 anos, disparou com uma espingarda de assalto contra um veículo policial, provocando a morte de um agente de 37 anos, antes de começar a fugir a pé, enquanto abria fogo contra outros agentes, dois dos quais ficaram feridos.

O atacante foi abatido pelas forças de segurança.

No interior do seu veículo foram encontradas armas, brancas e de fogo, e um exemplar do Alcorão.

As autoridades francesas afirmaram que o autor do ataque estava identificado como extremista por ter manifestado a intenção de matar polícias, segundo fontes próximas do inquérito, citadas pela AFP.

O ataque ocorreu a três dias da primeira volta das eleições presidenciais em França, em que a segurança é um dos temas em destaque, após vários ataques terroristas no país nos últimos anos.

Com Lusa

  • Mação volta a enfrentar dias de pânico
    3:33
  • Fogo obrigou à evacuação de 6 aldeias do concelho do Sardoal
    1:56

    País

    O incêndio que chegou ao Sardoal obrigou à evacuação de seis aldeias. As pessoas foram encaminhadas para as instalações da Santa Casa da Misericórdia e vão regressando ao longo do dia de hoje. A A23 foi reaberta de madrugada, depois de ter estado várias horas cortada nos dois sentidos .

  • Detida no Brasil portuguesa acusada de várias burlas nos últimos 20 anos
    3:04

    Mundo

    A Polícia do Rio de Janeiro deteve uma portuguesa acusada de várias burlas nos últimos 20 anos. Ana Resende fazia-se passar por funcionária do consulado e prometia vistos e outros documentos para tirar dinheiro das vítimas. Esta é a terceira vez que a polícia brasileira detém a portuguesa por acusações de burla.