sicnot

Perfil

Mundo

Rússia envia aviões para zona do Alasca

A Rússia enviou esta semana, durante quatro dias consecutivos, bombardeiros e aviões de reconhecimento à zona de segurança aérea norte-americana no Alasca, declararam funcionários norte-americanos à cadeia televisiva Fox.

De segunda-feira a quinta-feira, a Rússia enviou diariamente aviões ao espaço aéreo internacional, mas dentro da zona de identificação aérea dos Estados Unidos no Alasca.

Na quinta-feira, novamente, um par de bombardeiros estratégicos Tu-95 voou em torno do Alasca e do território canadiano durante várias horas, o que levou os norte-americanos a ordenar a dois caças F-22 que voassem a curta distância para vigiar os movimentos russos.

Na segunda-feira e na terça-feira, vários Tu-95, deslocados da zona este da Rússia e capazes de transportar armas nucleares, entraram na área de identificação aérea norte-americana a menos de 321 quilómetros da costa do Alasca, chegando numa ocasião a menos de 60 quilómetros do território norte-americano.

Na quarta-feira, a Rússia enviou dois aviões de reconhecimento Ilyushin Il-38 para perto das ilhas Aleutas e o mar de Bering.

Esta é a primeira manobra deste tipo da Rússia desde que Donald Trump chegou à presidência dos Estados Unidos da América (EUA), em janeiro, e depois do uso de armas químicas na Síria e do consequente bombardeamento norte-americano a uma base do regime de Damasco, este mês, ter piorado as relações entre Washington e Moscovo.

Lusa

  • António Costa evita perguntas sobre estágios não remunerados
    1:55
  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Trump adia decisão sobre permanência nos acordos de Paris
    1:48
  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14
  • Portugal pode ser atingido por longos períodos de seca

    País

    Portugal e Espanha podem ser atingidos até 2100 por 'megasecas', períodos de seca de dez ou mais anos, segundo os piores cenários traçados num estudo da universidade britânica Newcastle, que tem a participação de uma investigadora portuguesa.