sicnot

Perfil

Mundo

Rússia envia aviões para zona do Alasca

A Rússia enviou esta semana, durante quatro dias consecutivos, bombardeiros e aviões de reconhecimento à zona de segurança aérea norte-americana no Alasca, declararam funcionários norte-americanos à cadeia televisiva Fox.

De segunda-feira a quinta-feira, a Rússia enviou diariamente aviões ao espaço aéreo internacional, mas dentro da zona de identificação aérea dos Estados Unidos no Alasca.

Na quinta-feira, novamente, um par de bombardeiros estratégicos Tu-95 voou em torno do Alasca e do território canadiano durante várias horas, o que levou os norte-americanos a ordenar a dois caças F-22 que voassem a curta distância para vigiar os movimentos russos.

Na segunda-feira e na terça-feira, vários Tu-95, deslocados da zona este da Rússia e capazes de transportar armas nucleares, entraram na área de identificação aérea norte-americana a menos de 321 quilómetros da costa do Alasca, chegando numa ocasião a menos de 60 quilómetros do território norte-americano.

Na quarta-feira, a Rússia enviou dois aviões de reconhecimento Ilyushin Il-38 para perto das ilhas Aleutas e o mar de Bering.

Esta é a primeira manobra deste tipo da Rússia desde que Donald Trump chegou à presidência dos Estados Unidos da América (EUA), em janeiro, e depois do uso de armas químicas na Síria e do consequente bombardeamento norte-americano a uma base do regime de Damasco, este mês, ter piorado as relações entre Washington e Moscovo.

Lusa

  • Famílias das vítimas de Pedrógão criam associação para apurar responsabilidades
    2:13
  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.

  • 700 milhões para armamento e equipamento militar
    1:16

    País

    Portugal vai investir nos próximos anos 700 milhões de euros em armas e equipamento militar. Segundo a imprensa de hoje, o objetivo é colocar algumas áreas das Forças Armadas a um nível similar ao dos outros aliados da NATO. É o maior volume de programas de aquisição dos últimos anos e parte das verbas vão beneficiar a indústria portuguesa que fabrica aviões, navios-patrulha, rádios e sistemas de comando e controlo.

  • Princesa Diana morreu há 20 anos. Filhos falam pela 1ª vez da intimidade
    1:15