sicnot

Perfil

Mundo

Trump diz que jovens imigrantes ilegais nos EUA podem "ficar descansados"

Alex Brandon

O Presidente dos Estados Unidos da América, Donald Trump, afirmou esta sexta-feira que os jovens imigrantes protegidos de deportação, conhecidos como os 'sonhadores', podem "ficar descansados" quanto às políticas de imigração da sua administração.

"Não estamos atrás dos "sonhadores", estamos atrás dos criminosos. Essa é a nossa política", disse Trump, numa entrevista à agência Associated Press (AP).

O anterior Presidente norte-americano, Barack Obama, fez alterações legislativas para proteger da deportação muitos jovens que foram levados para os EUA de forma ilegal enquanto crianças.

Diferentes organizações relataram que Juan Manuel Montes, de 23 anos, foi recentemente deportado para o México, apesar de ter sido abrangido pelo programa de Ação Diferida (DACA), naquela que terá sido a primeira vez que o Governo expulsa um jovem indocumentado nesta condição.

Segundo Trump, o caso de Montes é ligeiramente diferente da situação dos "sonhadores", mas não explicitou o motivo.

Na mesma entrevista à AP, o Presidente dos EUA afirmou que as empresas e os cidadãos vão receber um "corte maciço nos impostos", no âmbito de uma reforma fiscal que pretende revelar na próxima semana, quando se prepara para assinalar 100 dias de governo.

Sem adiantar pormenores, o chefe de Estado norte-americano afirmou apenas que o corte fiscal será "maior que qualquer corte anterior".

Lusa

  • Caixa multibanco assaltada em Portugal a cada dois dias
    2:43

    País

    O semanário Expresso conta que a mulher que morreu vítima de um disparo de agentes da PSP foi atingida pelas costas. O caso está a ser investigado pela PJ, que procura encaixar as peças da noite que acabou com uma morte inocente mas que começou com uma perseguição a um grupo de assaltantes de um multibanco. Assaltos que são cada vez mais comuns e que preocupam o Governo. A cada dois dias, uma caixa é assaltada.

  • Metro de Lisboa vai reduzir consumo de água

    País

    O Metro de Lisboa colocou em prática um programa para reduzir o consumo de água devido à situação de seca em Portugal, respondendo assim ao apelo do Ministério do Ambiente, segundo um comunicado divulgado este sábado.