sicnot

Perfil

Mundo

Um terço dos austríacos acredita que o nazismo teve coisas boas e más

Yannis Behrakis

Um terço dos austríacos acredita que o nazismo teve coisas tanto boas como más e quatro em dez opinaram que se deve deixar de debater o Holocausto judaico, segundo uma sondagem que foi recentemente divulgada.

Realizada pelo instituto de estudos sociais SORA, a sondagem analisou a consciência histórica dos austríacos sobre o nazismo e as suas atitudes diante do autoritarismo e da democracia.

Pouco mais da metade (52%) dos 1.000 entrevistados considerou que o regime nacional-socialista (que ocorreu na Áustria entre 1938 e 1945 sob o regime de Adolf Hitler) havia trazido somente ou maioritariamente coisas negativas, enquanto 34% oscilou num leque que vai desde coisas boas e más a principalmente boas.

O resto dos entrevistados disseram não saber ou não quiseram responder.

A atitude condescendente perante o nazismo está especialmente presente entre os maiores de 66 anos (cerca de 44%).

A visão do nazismo é especialmente negativa entre os universitários (86%) e vai suavizando conforme a descida do nível educativo.

Ainda que metade dos entrevistados esteja completamente ou muito de acordo que os austríacos foram responsáveis "pelo destino" dos judeus entre 1938 e 1945, cerca de 40% opinou que se deveria encerrar já o debate sobre a II Guerra Mundial e o Holocausto.

A pesquisa também abordou como avaliam os austríacos a democracia no país.

A democracia, para 78% dos entrevistados, apesar dos seus problemas, é a melhor forma de Governo.

Entretanto, somente 45% repudia absolutamente a abordagem de "um líder forte que não tenha que se preocupar com o Parlamento e eleições".

Em geral, o grau de satisfação (total ou elevada) com o funcionamento da democracia na Áustria caiu 12 pontos nos últimos dez anos. Também cresceu neste período a sensação geral de insegurança.

Lusa

  • "O nazismo está vivo no Ocidente"
    2:11

    Mundo

    A Comissão Europeia e a NATO apelaram ao fim da escalada verbal da Turquia. Em causa está a reação de Ancara ao cancelamento de comícios de apoio ao presidente Erdogan na Europa e a proibição de entrada de 2 ministros turcos em campanha eleitoral na Holanda. Durante um discurso, o Presidente turco disse mesmo que o "nazismo estava vivo no Ocidente".

  • O encontro emocionado de Marcelo com a mãe de uma das vítimas dos fogos
    0:30
  • Proteção Civil garante que já não há desaparecidos
    1:40
  • "Depois de sair da autoestrada o vidro do carro ainda estava a ferver"
    2:01
  • "O fogo chegou de repente. Foi um demónio"
    2:15
  • O desabafo de um empresário que perdeu "uma vida inteira de trabalho" no fogo
    2:08
  • O testemunho emocionado de quem perdeu quase tudo
    2:10
  • As comunicações entre operacionais no combate às chamas em Viseu
    2:27
  • Houve "erros defensivos que normalmente a equipa não comete"
    0:38

    Desporto

    No final do jogo, quando questionado sobre a ausência de Casillas no onze do FC Porto, Sérgio Conceição referiu que a equipa apresentada era aquela que lhe oferecia garantias. Quanto ao jogo, o treinador portista reconheceu que a equipa cometeu vários erros defensivos.

  • "Cometemos erros e há que tentar corrigi-los"
    0:41

    Desporto

    No final do jogo em Leipzig, Iván Marcano desvalorizou a ausência de Iker Casillas e entendeu que o facto de o guarda-redes ter ficado no banco não teve impacto na equipa. Já sobre o jogo, o central espanhol garantiu que não correu da forma como os jogadores esperavam.

  • Norte-americana foi à discoteca e tornou-se princesa

    Mundo

    A história de Ariana Austin é quase como um conto de fadas moderno. A jovem vai até ao baile, onde conhece o seu príncipe. Só que a norte-americana foi a uma discoteca e, na altura, não sabia que Joel Makonnen era na verdade um príncipe da Etiópia e que casaria com ele 12 anos depois, tornando-se também ela numa princesa.