sicnot

Perfil

Mundo

Violência na República Democrática do Congo causou um milhão de deslocados

Thomas Mukoya

A ONU alertou esta sexta-feira que os combates entre a milícia tribal Kamwina Nsapu e as forças da República Democrática do Congo (RDC) provocaram, desde agosto, 400 mortos, dois dos quais trabalhadores humanitários, e um milhão de deslocados.

A onda de violência, que forçou 600.000 crianças a fugirem do local onde viviam, localiza-se na região do Kasai Central, uma das mais pobres do país e onde se concentram as ações da milícia contra as instituições do Estado.

A remota região de Kasai tem sido palco de violência desde meados de agosto, quando as forças do governo mataram Kamwina Nsapu, um chefe tribal e líder de milícias que se rebelaram contra o governo do presidente Joseph Kabila.

O recrudescimento dos confrontos nos primeiros três meses deste ano levou a um aumento considerável do número de deslocados, disse o porta-voz do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), Christophe Boulierac, numa conferência de imprensa.

Segundo a UNICEF, mais de 1,5 milhões de crianças foram afetadas pelo conflito, onde algumas participam. De acordo com o representante interino da agência na RDC, Tajudeen Oyewale, pelo menos 2.000 menores foram recrutados pela milícia.

O trabalho conjunto da UNICEF e das autoridades congolesas permitiu o resgate de 384 menores que integravam a fileira dos rebeldes, disse Oyewale.

Por outro lado, a UNICEF registou 28.000 casos de má nutrição grave entre as crianças da região e apenas conseguiu recolher 3,5 dos 20,6 milhões de dólares (3,2 de 19,2 milhões de euros) solicitados para dar resposta à situação.

Lusa

  • Relatório pedido pelo Governo PSD-CDS já apontava falhas no SIRESP
    2:26
  • Santana Lopes rejeita responsabilidades nas falhas do SIRESP
    1:21

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Sobre o relatório do SIRESP, António Vitorino diz que há neste momento um passa culpas entre entidades que só vai contribuir para aumentar o receio das populações perante os incêndios. Pedro Santana Lopes, que era primeiro-ministro quando foi assinado o contrato da rede de comunicações, diz que não sente responsabilidades e defende que o importante é perceber o que há de errado com o SIRESP.

  • Chef russo aconselha bife tártaro aos jogadores portugueses
    1:29