sicnot

Perfil

Mundo

Violência na República Democrática do Congo causou um milhão de deslocados

Thomas Mukoya

A ONU alertou esta sexta-feira que os combates entre a milícia tribal Kamwina Nsapu e as forças da República Democrática do Congo (RDC) provocaram, desde agosto, 400 mortos, dois dos quais trabalhadores humanitários, e um milhão de deslocados.

A onda de violência, que forçou 600.000 crianças a fugirem do local onde viviam, localiza-se na região do Kasai Central, uma das mais pobres do país e onde se concentram as ações da milícia contra as instituições do Estado.

A remota região de Kasai tem sido palco de violência desde meados de agosto, quando as forças do governo mataram Kamwina Nsapu, um chefe tribal e líder de milícias que se rebelaram contra o governo do presidente Joseph Kabila.

O recrudescimento dos confrontos nos primeiros três meses deste ano levou a um aumento considerável do número de deslocados, disse o porta-voz do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), Christophe Boulierac, numa conferência de imprensa.

Segundo a UNICEF, mais de 1,5 milhões de crianças foram afetadas pelo conflito, onde algumas participam. De acordo com o representante interino da agência na RDC, Tajudeen Oyewale, pelo menos 2.000 menores foram recrutados pela milícia.

O trabalho conjunto da UNICEF e das autoridades congolesas permitiu o resgate de 384 menores que integravam a fileira dos rebeldes, disse Oyewale.

Por outro lado, a UNICEF registou 28.000 casos de má nutrição grave entre as crianças da região e apenas conseguiu recolher 3,5 dos 20,6 milhões de dólares (3,2 de 19,2 milhões de euros) solicitados para dar resposta à situação.

Lusa

  • Frio no fim de semana, regiões do interior podem chegar aos -5 °C
    1:23

    País

    A Proteção Civil emitiu um alerta para o tempo frio e seco e pede cuidados redobrados. As temperaturas já começaram a descer, com regiões a registarem valores negativos. No interior, podem chegar aos 5 graus negativos. Até ao Natal o tempo vai manter-se frio, seco e com ausência de chuva.

  • Bombeiro ferido nos fogos de Pedrógão Grande regressou a casa
    2:33

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Seis meses depois dos incêndios de Pedrógão Grande, regressou a casa o último dos bombeiros de Castanheira de Pera que estava internado desde junho. Rui Rosinha esteve em coma mais de dois meses e tem ainda pela frente uma longa recuperação. O bombeiro não quer que o país esqueça o que aconteceu e espera que as duas tragédias deste ano (fogos de junho e outubro) sirvam de lição para o futuro.

  • PS volta a subir nas intenções de voto e não baixa dos 40%
    2:01
  • Marcelo evita "ideia de que o ano foi todo muito bom"
    3:14

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa disse esta sexta-feira que 2017 teve "o melhor e o pior" e que "é preciso evitar a "ideia que o ano foi todo muito bom". O Presidente da República fez estas declarações depois de António Costa ter dito que a nível económico este "foi um ano particularmente saboroso".