sicnot

Perfil

Mundo

"Jardim funerário" com 4 mil anos descoberto no Egito

Vestígios de um "jardim funerário" com cerca de 4 mil anos foram encontrados no pátio de um túmulo da época faraónica perto de Luxor, sul do Egito.

Os restos de um pequeno "jardim funerário", com três metros por dois, dividido em pequenos quadrados, foram descobertos no pátio de um túmulo que data do Império Médio (2030-1640 a.C.).

O Ministério de Antiguidades do Egito anunciou em comunicado que os arqueólogos tinham conhecimento da existência de pequenos jardins na entrada dos túmulos faraónicos através de esculturas e pinturas nos murais das sepulturas, mas que é a primeira vez que um desses jardins é descoberto na antiga cidade de Tebas (agora conhecida como Luxor).

"É um jardim único no género, nenhuma descoberta semelhante tinha sido feita antes na antiga cidade de Tebas", disse Mahmoud Afifi, que dirige o departamento de Egiptologia do Ministério.

Os arqueólogos encontraram "as raízes e um tronco de uma árvore pequena com cerca de 4.000 anos e uma altura de 30 centímetros", e "uma tigela com tâmaras e outros frutos secos que provavelmente serviam como oferendas", lê-se no comunicado.

O jardim continha "provavelmente diversas variedades de plantas e flores", acrescentou Mahmoud Afifi.

Na entrada do túmulo também foi encontrado um pequeno nicho com funções de capela, com três estelas (blocos de pedra trabalhados) decoradas com cenas faraónicas, uma das quais conservou restos de pintura de cores vivas (ocre vermelho e amarelo, azul celeste e preto).

Os vestígios datam da 13.ª dinastia, indica o comunicado.O "jardim funerário" tinha "provavelmente um significado simbólico, e desempenhou um papel durante os ritos fúnebres", disse José Galán, chefe da missão arqueológica.

Lusa

  • Peritos mundiais debatem doenças neurodegenerativas em Lisboa
    3:04

    País

    Especialistas de mais de 20 países na área das doenças neurodegenerativas estão reunidos esta semana na Fundação Champalimaud, em Lisboa. A cimeira, realizada em parceria com a Fundação Rainha Sofia, de Espanha, é dedicada aos progressos na investigação e nos cuidados de saúde em doenças como o Alzheimer. As demências efetam 50 milhões de pessoas em todo o mundo, número que deverá triplicar em 2050.

  • "O Benfica é atacado e não há ninguém que fale e que dê a cara?"
    6:05
    O Dia Seguinte

    O Dia Seguinte

    2ªFEIRA 21:50

    Depois do artigo publicado no blog "Geração Benfica", Rui Gomes da Silva reiterou esta segunda-feira, em O Dia Seguinte da SIC Notícias, algumas das críticas à estrutura do clube. O antigo vice-presidente do Benfica defendeu Luís Filipe Vieira, Rui Vitória e Nuno Gomes. E acusou novamente Rui Costa de passividade e os vice-presidentes de não darem a cara. 

  • Governo aconselha pais a fazerem queixa de manuais em mau estado
    2:31