sicnot

Perfil

Mundo

Modelo enfurece tribo ao tirar foto nua em vulcão sagrado na Nova Zelândia

Instagram Jaylene Cook

Uma modelo da Playboy enfureceu a comunidade indígena local depois de tirar uma fotografia - completamente nua -, no topo do monte Taranaki, na Nova Zelândia. Os Maori viram a imagem como algo extremamente ofensivo, pois, para eles, o vulcão é considerado um local sagrado.

Numa entrevista à BBC, o porta-voz da tribo disse que o gesto era como "se alguém entrasse na Basílica de São Pedro, no Vaticano, e tirasse uma fotografia sem roupa". "É um lugar sagrado e fazer algo do género é muito inapropriado", completou Dennus Ngawhare.

Jaylene Cook é uma modelo neozelandesa da Playboy. Numa visita ao local com o namorado, a jovem decidiu tirar uma fotografia nua e publicar no Instagram.

A imagem mostra a modelo a uma altitude de 2.518 metros. Talvez pela altura - o nu integral também deve ter ajudado um pouco -, a modelo conseguiu obter mais de 14 mil "gostos" pela imagem.

Após as críticas à fotografia, a modelo apressou-se a defender-se, dizendo que tinha investigado primeiro e chegando à conclusão de que o gesto não seria ofensivo.

Monte Taranaki

Monte Taranaki

Bogdan Cristel

Os Maori vêm o vulcão como um lugar sagrado, onde os antepassados da tribo foram enterrados. Normalmente, escalar até ao cimo é visto como algo impróprio e é feito pela tribo apenas em raras ocasiões.

Contudo, desde a altura da colonização, a tribo ficou com pouco - ou quase nenhum - controlo sobre o acesso ao local. Nos dias de hoje, é permitido que os turistas escalem o vulcão.

Ngawhare explicou que só até recentemente é que a tribo voltou a ser consultada sobre o que é feito naquela montanha. "Pedimos apenas que as pessoas mostrem respeito. E este é um caso de mais uma pessoas que obviamente não sabe como se comportar naquele local", explicou o porta-voz maori ao jornal inglês.

  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.