sicnot

Perfil

Mundo

Câmara Baixa reforça poder de Trump para impor sanções a Pyongyang

JIM LO SCALZO

A Câmara dos Representantes norte-americana aprovou esta quinta-feira uma lei dando mais poder ao Presidente para impor sanções à Coreia do Norte e a empresas de qualquer país que lhe vendam materiais que permitam progressos no programa nuclear.

A iniciativa obteve o apoio quase unânime da Câmara Baixa do parlamento (419 votos a favor e um contra) e passará agora ao Senado para aprovação definitiva.

A lei que reforça os poderes de Donald Trump é dirigida contra os trabalhos forçados na Coreia do Norte e proíbe a entrada nos Estados Unidos de qualquer bem produzido nos campos norte-coreanos, onde os maus-tratos e a tortura são frequentes e os presos são obrigados a trabalhar jornadas extenuantes e com alimentação escassa.

O diploma proíbe igualmente que naveguem em águas norte-americanas navios da Coreia do Norte ou de empresas de qualquer outro país - incluindo a China - que se recusem a cumprir as resoluções do Conselho de Segurança da ONU relativas ao disparo de mísseis balísticos.

Devido a estas disposições, a nova lei poderá ser rejeitada pela China, tradicional aliada da Coreia do Norte e a cujo Governo Trump pediu ajuda para que obrigue Pyongyang a pôr fim às provocações com os testes de mísseis e a sentar-se à mesa para renegociar o seu programa nuclear.

O texto estabelece, assim, que "qualquer Governo estrangeiro que forneça bens ou serviços de defesa à Coreia do Norte será proibido de receber determinados tipos de ajuda externa dos Estados Unidos".

O diploma decreta também que o Governo de Trump deverá determinar, num prazo de 90 dias, se a Coreia do Norte deve passar a ser classificada como um Estado patrocinador do terrorismo, uma lista negra na qual entrou em 1987 e de que saiu em 2008 por ordem do Governo do então Presidente George W. Bush.

Agora, a lei vai avançar para o Senado, onde se espera que seja aprovada sem problemas, com o apoio de republicanos e democratas.

O projeto de lei foi apresentado pelo republicano Ed Royce, presidente da comissão de Negócios Estrangeiros da Câmara dos Representantes, e por Eliot L. Engel, o democrata de mais elevado estatuto dessa comissão.

Lusa

  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Com a multiplicação de bons indicadores económicos e financeiros do país, multiplicam-se os elogios ao Governo e declaram-se mortas e enterradas as políticas do passado recente, nomeadamente a da austeridade. Nada mais errado. O que os bons resultados agora alcançados provam definitivamente é que a austeridade resolveu de facto os problemas das contas públicas e, mais do que isso, contribuiu para o crescimento económico que foi garantido por reformas estruturais e pela reorientação do modelo económico.

    José Gomes Ferreira

  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14
  • Portugal pode ser atingido por longos períodos de seca

    País

    Portugal e Espanha podem ser atingidos até 2100 por 'megasecas', períodos de seca de dez ou mais anos, segundo os piores cenários traçados num estudo da universidade britânica Newcastle, que tem a participação de uma investigadora portuguesa.

  • G7 reforça compromisso na luta contra o terrorismo
    2:11