sicnot

Perfil

Mundo

Gás lacrimogéneo usado nos confrontos entre polícia e manifestantes anti-Maduro

Carlos Garcia Rawlins / Reuters

As forças de segurança da Venezuela usaram ontem gás lacrimogéneo para dispersar o protesto de estudantes na Universidade Central da Venezuela, em Caracas. O Ministério Público venezuelano divulgou ontem o balanço oficial das vítimas nos protestos que estão a decorrer desde abril: 35 mortos, 717 feridos e 152 detidos.

Pelo menos 35 pessoas morreram e 717 ficaram feridas nos protestos que estão a decorrer, desde abril, na Venezuela, informou o Ministério Público (MP) venezuelano. As autoridades detiveram "152 pessoas", na sequência das manifestações contra o Governo da Venezuela, acrescentou em comunicado, precisando que os registos foram atualizadas até quinta-feira.

"Das 35 mortes, 18 ocorreram na área metropolitana de Caracas, seis em Carabobo, cinco em Lara, duas em Mérida, duas em Miranda, um em Barinas e um em Táchira", indicou.

O MP venezuelano indicou que entre as vítimas mortais contam-se quatro adolescentes, um funcionário da Guarda Nacional Bolivariana (polícia militar) e outro da polícia do Estado de Carabobo.

Os feridos "ascendem a 717 pessoas, das quais 357 foram reportadas por factos relacionados com delitos comuns, 329 por direitos fundamentais e 31 por proteção integral à família", referiu.

O documento sublinhou terem sido realizados "ensaios balísticos" para averiguar se projetéis e materiais de controlo de manifestações, atualmente a serem usados pelas forças de segurança, podem causar "danos físicos".

O objetivo é emitir recomendações de segurança sobre o uso seguro daqueles materiais, indicou.

"O MP lamenta profundamente a morte destes cidadãos e ratifica o compromisso de atuar em conformidade com a Constituição da República Bolivariana da Venezuela e as leis para estabelecer responsabilidades", concluiu, reiterando os apelos "à tolerância e ao diálogo".

  • O dia em que Marcelo apitou um jogo de futebol

    País

    Habituado a ajuizar os momentos de tensão entre Governo e oposição, Marcelo Rebelo de Sousa foi esta quarta-feira árbitro, literalmente. Tudo aconteceu num jogo de futebol entre crianças, durante a visita do Presidente da República a São Tomé e Príncipe.

  • Dia de homenagens e muito futebol para Marcelo em São Tomé
    3:01

    País

    No segundo dia da visita de Estado a São Tomé e Príncipe, o Presidente da República prestou homenagem às vítimas do massacre de Batepá, em 1953. Marcelo Rebelo de Sousa não pediu desculpa pela história, mas lembrou que é preciso assumir as coisas menos boas do passado. O dia terminou com o Presidente a mostrar que ainda está em forma.

  • Imprensa espanhola considera Rúben Semedo a pior contratação de sempre do Villarreal
    3:35

    Desporto

    Rúben Semedo vai esta quinta-feira ser ouvido por um juiz de instrução, que vai ditar as medidas de coação no caso em que o jogador é suspeito de roubo, agressões e posse ilegal de arma. O defesa português do Villarreal passa mais uma noite nas instalações da Guardia Civil, em Valência. Alguns media espanhóis chamam-lhe agora a pior contratação de sempre da história do clube.

  • Patinadora enfrenta "pesadelo" nos Olímpicos

    Desporto

    A patinadora Gabriella Papadakis enfrentou na segunda-feira um dos "piores pesadelos" da sua vida, durante a estreia nos Jogos Olímpicos de Inverno, em Pyeongchang, na Coreia do Sul. Durante a apresentação, a parte de cima do vestido da francesa saiu do lugar e revelou parte do seu seio. Mas este não foi o único caso de incidentes com figurinos. Também a sul-coreana Yura Min quase ficou despida durante a sua apresentação.

    SIC