sicnot

Perfil

Mundo

Mais de 100 magistrados "próximos de Gülen" demitidos na Turquia

Charles Mostoller

As autoridades judiciais turcas demitiram esta sexta-feira mais de 100 magistrados suspeitos de pertencerem ao movimento do clérigo Fethullah Gülen, acusado por Ancara de ter urdido o golpe falhado de julho passado, noticiou a agência oficial Anadolu.

O Alto Conselho dos Juízes e Procuradores (HSYK) demitiu das suas funções 107 juízes e procuradores, precisou a Anadolu, elevando para 4.238 o número de magistrados afastados no âmbito das purgas iniciadas pelo regime do Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, após a tentativa de golpe de Estado de 15 de julho.

Os juízes e procuradores hoje demitidos das respetivas funções são, além disso, alvo de um mandado de detenção, acrescentou a agência de notícias oficial turca.

Na sequência do golpe abortado, as autoridades turcas iniciaram purgas a uma grande escala, nomeadamente nas fileiras do exército, da polícia e da justiça.

Mais de 47.000 pessoas foram encarceradas e mais de 100.000 funcionários públicos foram despedidos ou suspensos.

As purgas intensificaram-se mais ainda após a vitória de Erdogan num referendo constitucional sobre o reforço dos seus poderes, a 16 de abril.

Desde então, cerca de 13.000 pessoas, das quais 9.000 polícias, foram suspensas e 1.000 polícias foram detidos.

A mais recente vaga de despedimento de magistrados ocorre quando o setor judicial, e nomeadamente o HSYK, está em plena restruturação no seguimento do referendo constitucional.

A reforma aprovada nessa consulta popular prevê a transferência de todo o poder executivo para o Presidente, que poderá emitir decretos, o desaparecimento do cargo de primeiro-ministro, mas também a alteração da composição do HSYK.

O número de membros do HSYK, que será em breve rebatizado como HSK, passará nas próximas semanas de 22 para 13, sete dos quais serão nomeados pelo parlamento e os restantes seis, direta ou indiretamente, pelo Presidente.

Opositores de Erdogan, acusado de deriva autocrática, veem neste dispositivo um instrumento que permitirá ao chefe de Estado controlar a composição do HSYK, que está encarregado de nomear e destituir os funcionários do sistema judicial.

Os dirigentes turcos rejeitam esta acusação e defendem que a revisão constitucional permite, pelo contrário, criar separações claras entre os poderes.

Lusa

  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.