sicnot

Perfil

Mundo

Membros da Brigada Al Andalus condenados a 75 anos de prisão no total

(Arquivo)

SIC

O Supremo Tribunal de Espanha confirmou a pena de 75 anos e meio de prisão no total para nove membros da autodenominada Brigada Al Andalus, que em Madrid se dedicou à doutrinação e recrutamento de jihadistas, foi esta sexta-feira divulgado.

O tribunal rejeitou assim os recursos dos nove condenados e ratificou a decisão da Audiência Nacional de 28 de setembro de 2016.

A rede, que terá funcionado entre janeiro de 2011 e junho de 2014, era dirigida pelo antigo preso de Guantanamo Lahcen Ikassrien, ao qual corresponde a pena maior, de 11 anos e meio de prisão, como dirigente de organização terrorista. Os restantes oito acusados viram confirmadas as suas penas de oito anos de prisão cada por terem integrado uma organização terrorista.

Os doutrinados deviam ser enviados para a Síria para realizar atos terroristas.

Lusa

  • "Cada drama, cada problema, cada testemunho, impressiona muito"
    1:55
  • Clínica veterinária em Tondela recebeu dezenas de animais feridos nos fogos
    2:57
  • Temperaturas sobem até ao final do mês
    1:09

    País

    O tempo não dá tréguas e, até ao final do mês, as temperaturas vão atingir valores acima do normal para esta época do ano. As temperaturas máximas vão subir entre os 25 e os 32 graus. O risco de incêndio aumenta a partir desta segunda-feira em todo o país e os meios aéreos, viaturas, operacionais e equipas de patrulha vão ser reforçados.

  • Maioria das praias do Algarve já não tem nadador-salvador
    2:19

    País

    A lei não obrigada os concessionários a garantir o serviço e, por isso, a esmagadora maioria das praias do Algarve está sem vigilância desde 30 de setembro. Ainda assim, os areais vão atraindo milhares de banhistas com as temperaturas altas que ainda se fazem sentir. Um nadador-salvador recomenda os banhistas a não nadar e, em dias de ondulação, evitar caminhadas à beira-mar.

  • Parlamento catalão vai responder à ativação do artigo 155
    1:54
  • A história por detrás da fotografia que correu (e impressionou) o Mundo

    Mundo

    Depois dos incêndios da semana passada na Galiza, começou a circular na internet e nas redes sociais a imagem de uma cadela que alegadamente levava a sua cria carbonizada na boca. Contudo, a cadela é na verdade macho e chama-se Jacki. Esta é a história do cão que passou os dias após os fogos a recolher animais mortos para os enterrar num campo perto de uma igreja, em Coruxo, Vigo.

    SIC

  • Quando o cão de Macron fez chichi no gabinete do Presidente francês
    0:31