sicnot

Perfil

Mundo

Governo indiano diz que rebeldes maoistas causaram 12 mil mortos

Navesh Chitrakar

Os rebeldes maoistas na Índia causaram 12 mil mortos, a maioria civis, nas últimas décadas, apesar de o movimento ter começado a perder força no ano passado, segundo dados divulgados esta segunda-feira pelo Governo indiano.

"Doze mil cidadãos deste país perderam a vida em ataques violentos dos extremistas da esquerda. Destas mortes, 2.700 foram de membros das forças de segurança e os outros 9.300 foram civis", disse o ministro do Interior da Índia, Rajnath Singh, numa reunião com representantes de dez estados afetados.

Em 2016, as forças de segurança mataram cerca de 150% mais maoistas do que no ano anterior e o número dos rebeldes que foram presos ou se entregaram aumentou em 47%, de acordo com o ministro.

Estes fatores levaram a uma redução das suas atividades durante os primeiros meses de 2017, quando se registaram 289 incidentes relacionados com os rebeldes maoistas, em relação aos 377 no mesmo período de 2016.

De acordo com o ministro, nos últimos anos o Governo indiano deslocou para as regiões afetadas 118 batalhões das Forças Centrais da Polícia Armada (CAPF) e outros dez corpos especiais de ação rápida, investindo mais de 152,5 milhões de dólares (139,4 milhões de euros) na luta contra os rebeldes maoistas.

Apesar da melhora da situação nos últimos meses, Singh reconheceu que o conflito maoista não pode ser solucionado imediatamente e requer políticas a curto, médio e longo prazo lideradas no âmbito regional.

A guerrilha maoista, conhecida localmente como "naxalita", nasceu de uma revolta numa aldeia no estado oriental de Bengala em 1967 e depois espalhou-se pelos estados vizinhos, como Orissa e Chhattisgarh.

Hoje, está ativa no chamado "cinturão roxo", uma faixa do território que cobre o centro e o leste da Índia.Segundo dados do Portal do Terrorismo do Sul da Ásia, 433 pessoas morreram em 2016 em ataques dos extremistas de esquerda na Índia.

Lusa

  • Os apelos de Marcelo para a reforma do Estado
    1:36

    País

    O Presidente da República lamentou este sábado que o consenso para uma reforma do Estado seja um sonho adiado. No enceramento do congresso "Portugal no Futuro", Marcelo Rebelo de Sousa apelou a entendimentos em áreas estratégicas e defendeu que é preciso passar as palavras à ação, o quanto antes.

    Débora Henriques

  • Tragédia de Vila Nova da Rainha foi há uma semana
    7:18
  • Escutas da Operação Marquês "não podem servir de prova"
    1:36

    Operação Marquês

    As defesas de José Sócrates e de Ricardo Salgado queixam-se que as escutas do processo Marquês estão infetadas por um vírus informático. Os advogados dizem que tal como estão as escutas não podem servir de prova. No entanto, o Ministério Público diz que estão reunidas as condições para começar a contar o prazo para a abertura de instrução.

    Luís Garriapa

  • Saco azul do BES pagou a 106 pessoas e 96 avenças ocultas
    2:21

    Economia

    Pelo menos 106 pessoas receberam dinheiro da Espírito Santo Enterprises, a companhia offshore criada nas Ilhas Virgens Britânicas e que terá funcionado como um gigantesco saco azul do Grupo Espírito Santo. O jornal Expresso revelou os primeiros vinte nomes da lista, entre os quais estão Zeinal Bava, antigo CEO da PT, e Manuel Pinho, ex-ministro da economia do Governo de José Sócrates.

  • Mais de 60% dos jovens não usam preservativo
    1:42
  • Doze meses de polémicas, ameaças e promessas
    3:52