sicnot

Perfil

Mundo

"Ouvi vozes que me diziam para matar Donald Trump"

Michael Sandford, 20 anos, foi acusado de ser um estrangeiro ilegal na posse de uma arma de fogo e de impedir e perturbar a ordem, disse o Ministério Público de Las Vegas.

© David Becker / Reuters

O jovem britânico de 21 anos que tentou matar Donald Trump num comício em 2016 explicou que agiu depois de ter "ouvido vozes".

A 18 de junho de 2016, Michael Sandford assistia a um comício de Donald Trump em Las Vegas. Estava a poucos metros do candidato presidencial e tentou apoderar-se da arma de um polícia. Foi imediatamente detido e condenado a um ano e um dia de prisão, acusado de posse ilegal de arma e resistência às autoridades.

Saiu na passada semana em liberdade por bom comportamento na prisão e regressou ao Reino Unido, onde deu uma entrevista ao tablóide The Sun, publicada segunda-feira.

"Ouvi vozes que me diziam para matar Donald Trump", disse. "Eram cada vez mais fortes e mais frequentes. A certa altura, já eram gritos".

"Os meus amigos diziam que era preciso parar Trump, que ele iria destruir o país. Quando soube que ele ia falar em Las Vegas, decidi ir e fazer qualquer coisas pelas minhas mãos", contou.

Nessa altura Michael vivia nos EUA há cerca de um ano, com a namorada norte-americana. A mãe não conseguiu impedi-lo de ir apesar do historial de problemas mentais.

No dia antes do comício, a 17 de junho de 2016, Michael foi praticar num campo de tiro em Las Vegas. No próprio dia, foi para o local várias horas mais cedo para conseguir um bom lugar.

"As vozes diziam-me que eu deveria praticar antes de tentar matar Trump", explicou.

"Também via animais que tentavam atacar-me, via as mais variadas coisas", contou ao The Sun. "No fundo, eu sabia que algo não estava bem, mas tentava convencer-me a mim próprio que sim", confessou Michael ao jornal.

Hoje em dia diz que "tem nojo" do que fez mas está "feliz porque ninguém se magoou".

  • PS vai continuar a procurar entendimentos à esquerda
    1:38
  • 22 mortos devido a gripe H1N1 no Equador

    Mundo

    Uma epidemia de gripe H1N1 provocou a morte de 22 pessoas no Equador, onde estão diagnosticados perto de 500 casos, anunciou esta segunda-feira o vice-ministro da Saúde, Carlos Duran.

  • Papa pede perdão a vítimas de abusos por ter usado expressão "menos feliz"
    1:21

    Mundo

    No final da visita à América Latina, já no avião de regresso a Roma, o Papa Francisco pediu desculpa às vítimas de abusos sexuais no Chile. O líder da Igreja católica considerou que utilzou uma expressão menos "feliz" quando saiu em defesa do bispo Juan Barros, exigindo "provas" a quem o acusa de não ter agido.

  • Os três pontos de Ronaldo
    1:16
  • Decifrado pergaminho encontrado há 50 anos

    Mundo

    Investigadores israelitas reconstituíram e decifraram um dos dois manuscritos de pergaminhos do Mar Morto que nunca tinham sido interpretados desde que foram descobertos há meio século, anunciou a universidade israelita de Haifa.

  • Refeição de 1.100 euros em Veneza

    Mundo

    O centro de Veneza oferece os mais variados restaurantes. Com menu obrigatório, sem menu, com taxas, sem taxas, sentando ou em pé. Depois há aqueles restaurantes que cobram 1.100 euros por cinco pratos acompanhados por água. O caso aconteceu com quatro turistas japoneses, que depois de pagarem a conta, apresentaram queixa às autoridades. O presidente da Câmara da cidade italiana já disse que ia investigar a situação e, caso se confirmasse, prometeu que iria castigar os responsáveis.

    SIC