sicnot

Perfil

Mundo

CIA vai ter centro específico dedicado à Coreia do Norte

Carolyn Kaster

A agência Central de Inteligência (CIA) norte-americana anunciou esta quarta-feira a criação de um centro específico para fazer frente à "ameaça nuclear e de mísseis balísticos que representa a Coreia do Norte".

O Centro de Missão para a Coreia juntará "agentes experientes de toda a agência numa única entidade, para que centrem a sua experiência e criatividade no objetivo da Coreia do Norte", adiantou a CIA, num comunicado.

A CIA tinha até agora 10 desses centros repartidos por regiões geográficas ou prioridades estratégicas, como um dedicado a Ásia Oriental e ao Pacífico", que deveria até aqui tratar também as questões relativas à Coreia do Norte.

Esta é a primeira vez que se cria um centro específico para um país, o que demonstra a intenção da administração do presidente Donald Trump de aumentar a pressão sobre o regime norte-coreano.

"Criar um centro de Missão para a Coreia permite integrar e dirigir mais deliberadamente os esforços da CIA contra as graves ameaças aos Estados Unidos e aos seus aliados que emanam da Coreia do Norte", refere o diretor da CIA, Mike Pompeo, num comunicado.

A permanente tensão entre os Estados Unidos e a Coreia do Norte aumentou com a chega ao poder do Presidente norte-americano, Donald Trump, enquanto Pyongyang prossegue as suas tentativas para acelerar o seu programa nuclear e ameaça realizar um sexto ensaio atómico.

Lusa

  • Autópsia à mulher baleada pela PSP contradiz agentes
    1:28

    País

    A mulher que morreu acidentalmente durante uma perseguição da PSP terá sido baleada no pescoço e o trio terá sido disparado por trás. Entretanto, segundo a imprensa, a PJ ainda não encontrou vestígios do tiroteio, entre os assaltantes do multibanco de Almada e a PSP.

  • Marinha dos EUA considera "absolutamente inaceitável" desenho de um pénis no céu

    Mundo

    Os cidadãos do Condado de Okanogan, em Washington, foram surpreendidos esta quinta-feira com o contorno de um pénis no céu. A imagem resultou de um rasto de condensação deixado por um avião militar norte-americano. A Marinha confirmou que um dos seus pilotos tinha desenhado a figura no ar e defendeu que a situação era "absolutamente inaceitável".