sicnot

Perfil

Mundo

Maduro pagou 10,1 milhões € a brasileiros na campanha de reeleição de Chávez

Marco Bello

O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, entregou 11 milhões de dólares (10,1 milhões de euros) em dinheiro não declarado para pagar a campanha de reeleição do ex-Presidente Hugo Chávez em 2012, disse a empresária brasileira Mónica Moura.

Sócia da empresa de marketing político que fez as últimas três campanhas presidenciais do Partido dos Trabalhares (PT), do Brasil, Monica Moura deu detalhes sobre o suposto acerto com o Presidente Venezuelano, num acordo de delação premiada que firmou com investigadores da Operação Lava Jato.

Num dos depoimentos que prestou, Mónica Moura relatou que o ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva pediu ao seu marido e sócio, João Santana, que fizesse a campanha de reeleição de Hugo Cháves.

O casal cobrou 35 milhões de dólares pelo trabalho. Mónica Moura afirmou que 11 milhões de dólares deste total foram-lhe entregues em dinheiro, na cidade de Caracas, por Nicolás Maduro, na sede da Chancelaria venezuelana.

A empresária narrou que após receber o dinheiro foi escoltada até uma produtora montada provisoriamente em Caracas, para realizar o trabalho de marketing publicitário para a campanha de Hugo Chávez.

Segundo Mónica Moura, Nicolás Maduro, na época chanceler da Venezuela, exigiu que a maior parte destes pagamentos referentes à campanha fossem feitos com dinheiro não declarado.

Além deste montante, as empreiteiras brasileiras Odebrecht e Andrade Gutierrez teriam pago à empresa do casal, respectivamente, sete milhões de dólares (6,4 milhões de euros) e dois milhões de dólares (1,8 milhões de euros) através de depósito na Suíça pela campanha de reeleição de Hugo Chavéz.

Os termos do acordo de delação premiada de Mónica Moura foram revelados hoje, após o juiz Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), retirar o sigilo dos depoimentos.

Lusa

  • Marcelo lembra como foi tratada a tragédia durante a ditadura
    2:25

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Marcelo Rebelo de Sousa não quis comentar diretamente a polémica em torno da lista das vítimas mortais de Pedrógão Grande, mas recorreu às cheias de 1967 para lembrar como as tragédias eram tratadas no tempo da ditadura. O Presidente da República defendeu que não é possível esconder a dimensão de uma tragédia num regime democrático. Há 50 anos, Marcelo Rebelo de Sousa acompanhou de perto a forma como o regime tentou esconder a verdadeira dimensão do incidente.

  • Ministra admite falhas no SIRESP no presente e no passado
    2:35

    País

    A ministra da Administração Interna admitiu, esta quinta-feira, que o SIRESP falha no presente tal como já falhou no passado, quando a tutela pertencia ao Governo PSD. Os sociais-democratas quiserem ouvir Constança Urbano de Sousa na comissão parlamentar mas desta vez a ministra defendeu-se com um ataque. 

  • À descoberta de Dago, o destroço mais visitado em mergulho de profundidade
    13:51
  • Uma viagem aérea pela aldeia histórica de Monsanto
    0:50
  • "Comecei por ajudar uma família que me pediu um plástico para se proteger"
    4:51
  • Quase três mil toneladas de plástico ameçam tartarugas no Mediterrâneo
    2:35

    Mundo

    O Mar Mediterrâneo está sob a ameaça de se tornar uma lixeira com três mil toneladas de plástico a flutuarem entre a Europa e África. Há milhões de turistas a nadarem nestas águas e há espécies marinhas que já estão em perigo. No Chipre, os cientistas estão a tentar proteger tartarugas, cuja alimentação já é quase totalmente de plástico.

  • Deputado da Malásia diz que negar sexo ao marido é uma forma de abuso

    Mundo

    Um deputado malaio tem sido alvo de algumas críticas na internet, depois de ter dito que negar sexo a maridos é uma forma de abuso psicológico e emocional por parte das mulheres. As declarações de Che Mohamad Zulkifly Jusoh foram feitas durante um debate sobre as alterações às leis de violência doméstica, na quarta-feira.

    SIC