sicnot

Perfil

Mundo

Maduro pagou 10,1 milhões € a brasileiros na campanha de reeleição de Chávez

Marco Bello

O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, entregou 11 milhões de dólares (10,1 milhões de euros) em dinheiro não declarado para pagar a campanha de reeleição do ex-Presidente Hugo Chávez em 2012, disse a empresária brasileira Mónica Moura.

Sócia da empresa de marketing político que fez as últimas três campanhas presidenciais do Partido dos Trabalhares (PT), do Brasil, Monica Moura deu detalhes sobre o suposto acerto com o Presidente Venezuelano, num acordo de delação premiada que firmou com investigadores da Operação Lava Jato.

Num dos depoimentos que prestou, Mónica Moura relatou que o ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva pediu ao seu marido e sócio, João Santana, que fizesse a campanha de reeleição de Hugo Cháves.

O casal cobrou 35 milhões de dólares pelo trabalho. Mónica Moura afirmou que 11 milhões de dólares deste total foram-lhe entregues em dinheiro, na cidade de Caracas, por Nicolás Maduro, na sede da Chancelaria venezuelana.

A empresária narrou que após receber o dinheiro foi escoltada até uma produtora montada provisoriamente em Caracas, para realizar o trabalho de marketing publicitário para a campanha de Hugo Chávez.

Segundo Mónica Moura, Nicolás Maduro, na época chanceler da Venezuela, exigiu que a maior parte destes pagamentos referentes à campanha fossem feitos com dinheiro não declarado.

Além deste montante, as empreiteiras brasileiras Odebrecht e Andrade Gutierrez teriam pago à empresa do casal, respectivamente, sete milhões de dólares (6,4 milhões de euros) e dois milhões de dólares (1,8 milhões de euros) através de depósito na Suíça pela campanha de reeleição de Hugo Chavéz.

Os termos do acordo de delação premiada de Mónica Moura foram revelados hoje, após o juiz Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), retirar o sigilo dos depoimentos.

Lusa

  • Lei que permite a entrada de animais em espaços de restauração gera dúvidas
    2:23

    País

    A lei que permite a entrada de animais de companhia em estabelecimentos de restauração, que entrou hoje em vigor, está a gerar dúvidas para os proprietários. Até ao momento são poucos os estabelecimentos que aderiram e a previsão é para que assim continue. A DECO questionou 1800 pessoas sobre a presença dos animais nos restaurantes e apenas 25% votou a favor.

  • "Isto é a demagogia à solta"
    0:45

    Opinião

    Quem o diz é Luís Marques Mendes a propósito da aprovação esta semana da lei do CDS-PP que elimina o adicional do imposto sobre os combustíveis. O comentador da SIC critica a oposição por ter levado a votação uma lei inconstitucional e acusa ainda os parceiros de Governo de deslealdade. 

    Luís Marques Mendes