sicnot

Perfil

Mundo

Patrão chinês dá dinheiro a empregados por cada quilo perdido

Rick Wilking / Reuters

Cerca de 26 euros por cada quilo perdido numa dieta, é quanto o patrão de uma pequena empresa chinesa promete aos seus trabalhadores.

Wang Xuebao, responsável pela Kingtian Consulting em Xian, no norte da China, oferece 200 yuans (26 euros) por cada quilo a menos, confirmou o próprio em entrevista por telefone à agência France Press.

"Desde o início de março, 20 empregados começaram a participar. O maior prémio foi de 2 mil yuans" (260 euros), no caso de um empregado que perdeu 10 quilos em dois meses.

O empresário lembrou-se do desafio porque percebeu que o trabalho dos consultores era muito sedentário.

"Os nossos empregados trabalham no escritório o dia todo e não fazem exercício físico. Percebi que muitos tinham excesso de peso e por isso tive esta ideia para os encorajar a mexerem-se", contou.

"Não basta aumentar os números dos negócios, é preciso ter atenção à saúde. E a qualidade do trabalho também beneficia", constatou.

Com a melhoria do nível de vida e a difusão de comidas do ocidente, os chineses engordaram: os homens aumentaram o peso em cerca de 3,5 kg entre 2002 e 2012 e as mulheres 2,9 kg, segundo um estudo da Comissão Nacional de Sa+ude, publicado em 2015. A obesidade atinge perto de 10% da população.

  • Novo regime dos recibos verdes "acaba com as injustiças dos escalões"
    1:10
  • Brinquedos tecnológicos para oferecer no Natal
    5:33
  • Aniversário de Marcelo passado nas comemorações dos 700 anos da Marinha
    1:45

    País

    O Presidente da República defende que é preciso continuar a investir na Armada, nas pessoas, nas capacidades e no apoio de retaguarda. No dia em que fez 69 anos, Marcelo Rebelo de Sousa esteve nas comemorações dos 700 da Marinha, onde sublinhou os sete séculos de conquistas e de combates navais.

  • Costa anuncia reunião sobre neutralidade carbónica em fevereiro
    2:03

    País

    O Presidente francês defende que é preciso ir mais longe e mais rápido na luta contra as alteração climáticas, numa resposta à decisão de Donald Trump de retirar os EUA do Acordo de Paris. Em fevereiro, será a vez de Portugal organizar uma reunião sobre energia e transportes.