sicnot

Perfil

Mundo

Amnistia lança campanha para deter ofensiva contra ativistas de direitos humanos

David Gray

A Amnistia Internacional (AI) anunciou o lançamento de uma nova campanha global, que designou como Brave, para pôr fim à ofensiva atualmente em curso contra os defensores dos direitos humanos em todo o mundo.

Num documento divulgado esta segunda-feira, a organização não-governamental de defesa dos direitos humanos indicou que em 2016 foram mortas 281 pessoas "por terem a coragem de se insurgir contra a injustiça", um aumento substancial em relação às 156 mortes registadas em 2015. São líderes comunitários, advogados, jornalistas e outros defensores dos direitos humanos por todo o mundo aqueles que têm sido alvo de níveis sem precedentes de perseguição, intimidação e violência, advertiu a Amnistia.

"Aquilo a que hoje assistimos é uma flagrante ofensiva cerrada por governos, grupos armados, associações setoriais e outras entidades com poder institucional ou de facto ao próprio direito de defesa dos direitos humanos", afirmou o secretário-geral da AI, Salil Shetty, citado no documento.

"Do Presidente [russo] Putin ao Presidente [chinês] Xi e ao Presidente [egípcio] Al-Sisi, líderes de todos os continentes estão cada vez mais a desmantelar os alicerces necessários para uma sociedade livre, justa e igual", prosseguiu.

Segundo o responsável da Amnistia, "ao retirar-lhes o direito de protestar, colocando-os sob vigilância e tomando-os a eles e às suas comunidades como alvos de intimidação, ameaças e agressões físicas, os governos estão a asfixiar o abastecimento de oxigénio daqueles que lutam pelos nossos direitos".

A campanha Brave é, precisa a AI, "um grito de mobilização para o mundo ajudar a defender quem está na linha da frente da defesa dos direitos humanos e promover uma sociedade civil dinâmica, livre, justa e com todos os direitos para todos".

Em Portugal, a Amnistia desenvolverá uma frente de pressão e de ação especialmente centrada nos defensores e ativistas de direitos humanos em Angola e Moçambique, indicou a secção portuguesa da ONG.

Para tal, a AI vai disponibilizar para assinatura dos cidadãos um manifesto no qual se interpela o Presidente da República português, Marcelo Rebelo de Sousa, e o primeiro-ministro, António Costa, a assumirem o compromisso de darem publicamente o exemplo para que sejam cumpridas as obrigações dos Estados na proteção dos defensores de direitos humanos.

Este manifesto/petição estará disponível esta terça-feira, a partir das 10:00, neste link.

Lusa

  • Curiosidades sobre o Mundial da Rússia
    3:08
  • Inocência e talento marcaram o 9.º dia de Mundial
    0:56
  • Ronaldo no País dos Sovietes: Algumas curiosidades
    1:54
  • O choro intenso de Neymar explicado pelo próprio
    0:51
  • A queda aparatosa do selecionador do Brasil
    0:05
  • Dia de limpezas em Chaves após violenta tempestade
    2:44
  • Athanasia, uma mulher sem medo das alturas
    0:35

    Mundo

    É grega, chama-se Athanasia Athineau, tem 29 anos e pertence à unidade de forças especiais da Grécia. O salto que podemos ver é de 10 mil pés, mas Athanasia faz também saltos de 30 mil. Neste caso, caíu a uma velocidade de 250 quilómetros por hora antes de abrir o pára-quedas.

  • Talheres de Hitler vendidos por 14 mil euros

    Mundo

    Um conjunto de duas facas, três colheres e três garfos de prata, que pertencia a Adolf Hitler, foi vendido em Dorset, Inglaterra, pelo valor de 12.500 libras (aproximadamente 14.200 euros). O serviço de talheres foi criado no âmbito das celebrações do 50.º aniversário do ditador nazi.

    SIC