sicnot

Perfil

Mundo

Amnistia lança campanha para deter ofensiva contra ativistas de direitos humanos

David Gray

A Amnistia Internacional (AI) anunciou o lançamento de uma nova campanha global, que designou como Brave, para pôr fim à ofensiva atualmente em curso contra os defensores dos direitos humanos em todo o mundo.

Num documento divulgado esta segunda-feira, a organização não-governamental de defesa dos direitos humanos indicou que em 2016 foram mortas 281 pessoas "por terem a coragem de se insurgir contra a injustiça", um aumento substancial em relação às 156 mortes registadas em 2015. São líderes comunitários, advogados, jornalistas e outros defensores dos direitos humanos por todo o mundo aqueles que têm sido alvo de níveis sem precedentes de perseguição, intimidação e violência, advertiu a Amnistia.

"Aquilo a que hoje assistimos é uma flagrante ofensiva cerrada por governos, grupos armados, associações setoriais e outras entidades com poder institucional ou de facto ao próprio direito de defesa dos direitos humanos", afirmou o secretário-geral da AI, Salil Shetty, citado no documento.

"Do Presidente [russo] Putin ao Presidente [chinês] Xi e ao Presidente [egípcio] Al-Sisi, líderes de todos os continentes estão cada vez mais a desmantelar os alicerces necessários para uma sociedade livre, justa e igual", prosseguiu.

Segundo o responsável da Amnistia, "ao retirar-lhes o direito de protestar, colocando-os sob vigilância e tomando-os a eles e às suas comunidades como alvos de intimidação, ameaças e agressões físicas, os governos estão a asfixiar o abastecimento de oxigénio daqueles que lutam pelos nossos direitos".

A campanha Brave é, precisa a AI, "um grito de mobilização para o mundo ajudar a defender quem está na linha da frente da defesa dos direitos humanos e promover uma sociedade civil dinâmica, livre, justa e com todos os direitos para todos".

Em Portugal, a Amnistia desenvolverá uma frente de pressão e de ação especialmente centrada nos defensores e ativistas de direitos humanos em Angola e Moçambique, indicou a secção portuguesa da ONG.

Para tal, a AI vai disponibilizar para assinatura dos cidadãos um manifesto no qual se interpela o Presidente da República português, Marcelo Rebelo de Sousa, e o primeiro-ministro, António Costa, a assumirem o compromisso de darem publicamente o exemplo para que sejam cumpridas as obrigações dos Estados na proteção dos defensores de direitos humanos.

Este manifesto/petição estará disponível esta terça-feira, a partir das 10:00, neste link.

Lusa

  • Chamas passaram por cima da A23
    1:06

    País

    A A23 esteve cortada ao longo do dia por causa do fumo e das chamas. Em direto para a SIC Notícias, perto das 18h30, os repórteres da SIC presenciaram o momento em que o fogo passou por cima da autoestrada da Beira Interior.

  • "Só numa ditadura é possível tentar esconder o número de vítimas"
    0:51

    Tragédia em Pedrógão Grande

    O primeiro-ministro diz que é "lamentável" a tentativa de aproveitamento político à volta dos incêndios. António Costa esteve esta quarta-feira à tarde na Autoridade Nacional de Proteção Civil e, no final do briefing, disse que é preciso confiança nas instituições do Estado. O primeiro-ministro deixou ainda muitas críticas à oposição no caso da lista de vítimas de Pedrógão Grande.

  • E os 10 mais ricos de Portugal são...

    Economia

    A família Amorim lidera a lista dos mais ricos do país, com uma fortuna avaliada em 3840 milhões de euros. Em segundo lugar surge Alexandre Soares dos Santos com 2532 milhões de euros. A família Guimarães de Mello ainda entra para o top 3, com um valor de 1471 milhões de euros. A lista foi elaborada pela revista EXAME, que conclui que os ricos estão ainda mais ricos, pela quarta vez consecutiva.

    Bárbara Ferreira