sicnot

Perfil

Mundo

Austrália insta China a pressionar Coreia do Norte para pôr fim a testes com mísseis

KCNA KCNA

O primeiro-ministro australiano pediu hoje à China para usar a sua influência junto da Coreia do Norte para pôr fim aos testes de mísseis do regime.Malcolm Turnbull disse aos jornalistas, em Sydney, que a conduta da Coreia do Norte é "imprudente, provocadora e ilegal" e que a Austrália vai trabalhar com os Estados Unidos e outros países para impor sanções a Pyongyang.

"A maior responsabilidade de trazer a Coreia do Norte à razão (...) é da China", disse Turnbull."Eles têm uma relação económica dominante com a Coreia do Norte e devido ao facto de terem uma grande influência, têm a maior responsabilidade", acrescentou.

A Coreia do Norte disparou um novo míssil balístico no domingo, que disse ser um novo modelo de "médio e longo alcance".

De acordo com a agência de notícias estatal KCNA, trata-se de "um novo modelo de míssil balístico estratégico de médio e longo alcance, o Hwasong-12".

A agência sublinhou que o líder norte-coreano, Kim Jong-Un, "supervisionou pessoalmente o teste". O novo míssil - disparado pelas 05:30 locais de domingo (21:30 de sábado em Lisboa) - atingiu uma altitude de 2.111 quilómetros, percorreu cerca de 700 quilómetros e caiu no Mar do Japão.

A KCNA acrescentou que o disparo do míssil visou fazer um teste "às características e pormenores técnicos" da nova arma, "capaz de transportar uma grande e potente ogiva nuclear". O míssil seguiu a trajetória planeada e caiu "exatamente no local previsto".

O teste do novo míssil balístico norte-coreano motivou reações críticas de vários quadrantes: os Estados Unidos, o Japão e a Coreia do Sul pediram uma reunião de urgência do Conselho de Segurança das Nações, que foi já marcada para a tarde de terça-feira.

A confirmação da reunião de urgência foi avançada nas Nações Unidas pela representação do Uruguai, país que preside ao Conselho de Segurança em maio. O disparo do míssil balístico - o segundo no espaço de 15 dias - foi interpretado como um desafio, na sequência da recente eleição do novo Presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-In.

A NATO criticou o lançamento do míssil e apelou a Pyongyang para que incentive o desanuviamento da tensão, em vez de insistir "nas provocações".

O míssil constitui "um incumprimento flagrante de várias resoluções do Conselho de Segurança das Nações Unidas", o que pressupõe "uma ameaça à paz e à segurança internacional".

A União Europeia considerou o disparo "uma ameaça à paz e segurança internacional", numa escalada da tensão na região.O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, defendeu o agravamento de sanções contra a Coreia do Norte, na sequência deste último disparo.Também a China e a Rússia já reagiram, mostrando-se "preocupadas com a escalada de tensão" na península coreana.

O Presidente russo, Vladimir Putin, e o homólogo chinês, Xi Jinping, "discutiram em pormenor a situação na península coreana" durante um encontro, em Pequim, e "as duas partes exprimiram a sua preocupação para com uma escalada de tensão", declarou o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, aos jornalistas.

Lusa

  • Bernardo Silva no City? O que Pep Guardiola disse ao português na Champions
    0:34
  • A promessa e a peregrinação do Presidente no Luxemburgo
    2:28
  • "O Brasil não parou e não vai parar"
    1:33

    Mundo

    O Presidente do Brasil diz ter condições para continuar à frente do Palácio do Planalto. Num vídeo publicado no Twitter, Michel Temer garante que o país não parou, nem vai parar, mas há uma nova gravação que pode comprometer o futuro do chefe de Estado.

  • Trump empurra líder do Montenegro para ficar à frente na fotografia

    Mundo

    A reunião de líderes dos Estados-membros da NATO, que decorreu esta quinta-feira em Bruxelas, na Bélgica, ficou marcada por um momento insólito em que o Presidente norte-americano não quis abdicar de ficar no melhor plano possível nas fotografias de grupo. Nem que para isso tenha sido necessário empurar o líder de outro país.

  • O humor de John Kerry nas críticas a Trump
    0:40

    Mundo

    John Kerry criticou as ligações de Donald Trump com a Rússia durante um discurso de abertura, na Universidade de Harvard. O ex-secretário de Estado norte-americano disse, em tom de brincadeira, que se os jovens querem vingar na política, devem primeiro aprender a falar russo.

  • O papel da religião no quotidiano
    24:57