sicnot

Perfil

Mundo

Mais de 29.000 instituições chinesas atingidas pelo ciberataque

Jason Lee/ Reuters

A agência noticiosa oficial chinesa Xinhua avança hoje que o ciberataque de sexta-feira, realizado à escala global, atingiu mais de 29.000 instituições e centenas de milhares de dispositivos eletrónicos no país.

Entre as instituições mais afetadas constam universidades e escolas - 4.341 ou 15 por cento do total -, detalha a Xinhua, que cita o Threat Intelligence Cente do Qihoo 360, empresa de antivírus chinesa.


Estações de comboio, correios, estações de serviço, hospitais, escritórios, centros comerciais e serviços governamentais foram também atingidos pelo ciberataque.


O diretor da Europol, Rob Wainwright, revelou no domingo que o ciberataque provocou 200 mil vítimas, a maioria empresas, em pelo menos 150 países.


O ataque afetou ainda hospitais britânicos, o fabricante de automóveis francês Renault, o sistema bancário russo, o grupo norte-americano FedEx e universidades na Grécia e na Itália.


Em Portugal, a empresa de energia EDP cortou os acessos à Internet da sua rede para prevenir eventuais ataques informáticos e garantiu que não foi registado qualquer problema, já a Portugal Telecom alertou os seus clientes para o vírus perigoso ('malware') a circular na Internet, pedindo aos utilizadores que tenham cautela na navegação na rede e na abertura de anexos no email.

Lusa

  • Autópsia à mulher baleada pela PSP contradiz agentes
    1:28

    País

    A mulher que morreu acidentalmente durante uma perseguição da PSP terá sido baleada no pescoço e o trio terá sido disparado por trás. Entretanto, segundo a imprensa, a PJ ainda não encontrou vestígios do tiroteio, entre os assaltantes do multibanco de Almada e a PSP.

  • Marinha dos EUA considera "absolutamente inaceitável" desenho de um pénis no céu

    Mundo

    Os cidadãos do Condado de Okanogan, em Washington, foram surpreendidos esta quinta-feira com o contorno de um pénis no céu. A imagem resultou de um rasto de condensação deixado por um avião militar norte-americano. A Marinha confirmou que um dos seus pilotos tinha desenhado a figura no ar e defendeu que a situação era "absolutamente inaceitável".