sicnot

Perfil

Mundo

Austeridade pode afetar saúde infantil

Francisco Seco

Os programas de austeridade do FMI nos países mais pobres podem diminuir a capacidade de alguns pais de garantir a saúde dos filhos, concluiu um estudo científico publicado esta segunda-feira e já contestado pela instituição financeira.

Realizado por seis universidades, este estudo publicado na revista norte-americana Proceedings of the National Academy of Sciences junta-se a uma vasta literatura sobre os possíveis malefícios da austeridade orçamental promovida pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) nos países do sul.

O estudo, que compilou dados de 67 países recolhidos nos anos 2000, afastou a hipótese de uma "causa direta" entre uma degradação dos indicadores de saúde e os planos do FMI, que fornece empréstimos aos Estados em troca de programas de consolidação das finanças públicas.

O trabalho identificou "efeitos contraditórios" que a ação do FMI tem na saúde infantil.

"As intervenções do FMI procuram aumentar a estabilidade económica, o que traz benefícios para a população. No entanto, ao mesmo tempo, as medidas de ajustamento impostas pelo FMI diminuem os efeitos protetores [que o nível] de educação dos pais [tem] na saúde infantil", escreveram os autores das universidades de Cambridge e Oxford, no Reino Unido.

Os lares onde o chefe de família tem pelo menos um nível de educação primário têm, em termos gerais, mais condições de responder às necessidades dos filhos em termos de acesso à água, nutrição ou vacinação.

Esta capacidade é reduzida nos países sob assistência do FMI, especialmente em meios rurais, indicou o estudo.

De acordo com os investigadores, o nível de escolaridade dos pais reduz os riscos de malnutrição infantil em 38% em épocas normais, mas apenas em 21% quando os países estão a ser apoiados pelo FMI.

Esta diferença está relacionada, de acordo com os investigadores, com a redução das despesas públicas exigidas pelo FMI que "comprime os salários" e provoca perdas de oportunidade de emprego, arriscando-se a limitar a "utilidade (...) de uma educação básica" na capacidade dos pais de garantirem uma saúde melhor aos filhos.

Contactado pela agência noticiosa France Presse (AFP), o FMI criticou o estudo e disse que este falhou em estabelecer uma ligação direta entre os planos de resgate e a saúde infantil.

De acordo com a instituição, os investigadores concluíram "de maneira errónea" que os gastos com a educação diminuem nos países sob assistência do FMI, com consequências nefastas para a saúde infantil.

"As nossas análises mostram que as despesas públicas com a educação aumentaram significativamente nos países de baixos rendimentos, durante a implementação dos programas de assistência do Fundo", indicou uma porta-voz do FMI em comunicado.


Lusa

  • Aumentaram as desigualdades na área da saúde
    1:59

    País

    Aumentaram as desigualdades na área da saúde em Portugal, nos últimos anos. Os mais pobres são os mais doentes e os que têm mais dificuldade de acesso aos serviços de saúde. Esta é a principal conclusão do relatório anual do Observatório dos Sistemas de Saúde que conclui ainda que a saúde mental foi uma das que mais sofreu com a crise económica e as medidas de austeridade.

  • Christine Lagarde defende mais austeridade nos gastos públicos do Governo brasileiro
    2:15

    Mundo

    A diretora-geral do Fundo Monetário Internacional defende que o Brasil deve melhorar as infraestruturas, fazer uma reforma fiscal e procurar uma maior integração no mercado internacional - como forma de ultrapassar a actual crise económica que o país está a viver. Christine Lagarde - que está a visitar o Brasil - elogiou os programas sociais que estão em curso no país, mas também defende mais austeridade nos gastos públicos do Governo brasileiro, para que os projectos de apoio aos mais pobres não tenham de ser interrompidos.

  • "O Benfica é atacado e não há ninguém que fale e que dê a cara?"
    6:05
    O Dia Seguinte

    O Dia Seguinte

    2ªFEIRA 21:50

    Depois do artigo publicado no blog "Geração Benfica", Rui Gomes da Silva reiterou esta segunda-feira, em O Dia Seguinte da SIC Notícias, algumas das críticas à estrutura do clube. O antigo vice-presidente do Benfica defendeu Luís Filipe Vieira, Rui Vitória e Nuno Gomes. E acusou novamente Rui Costa de passividade e os vice-presidentes de não darem a cara. 

  • As primeiras imagens do furacão Maria pelas Caraíbas
    2:44
  • "Myanmar não teme o escrutínio internacional"
    1:07
  • Exercício e pastilha elástica: o que faz o país com mais idosos no mundo
    1:17