sicnot

Perfil

Mundo

China protesta formalmente contra sanções dos EUA

(Arquivo)

Jason Lee

A China protestou formalmente junto dos Estados Unidos pelas novas sanções norte-americanas visando uma rede baseada no país asiático e acusada de colaborar com o Irão no âmbito do seu programa de mísseis balísticos.

"A China opõe-se sempre a sanções unilaterais, à imposição frequente de sanções unilaterais, nomeadamente quando isso afeta interesses de terceiros", declarou Hua Chunying, porta-voz do ministro dos Negócios Estrangeiros chinês.

Os Estados Unidos pretendem prosseguir a política de sanções contra o Irão, no quadro do acordo histórico sobre o programa nuclear de Teerão, assinado em 2015 pelo anterior Presidente norte-americano, Barack Obama, e que o atual, Donald Trump, prometeu "rasgar".

Seguindo uma linha firme, o Tesouro norte-americano anunciou simultaneamente sanções contra "responsáveis da Defesa iraniana, uma entidade iraniana e uma rede baseada na China", devido a alegadas ligações com o programa de mísseis balísticos, o que, segundo este departamento dos EUA, viola a "resolução 2231 do Conselho de Segurança das Nações Unidas".

"Nós pensamos que [este tipo de sanções] não ajudam a reforçar a confiança mútua nem os esforços internacionais para resolver o problema", segundo Hua Chunying.

O Irão também já condenou as novas sanções norte-americanas, afirmando que elas afetam "os resultados positivos" do acordo nuclear.

Lusa

  • Manuel Delgado demitiu-se devido a "grave violação da privacidade"

    País

    O ex-secretário de Estado da Saúde diz que apresentou a demissão para "não perturbar nem criar qualquer tipo de embaraço ao normal funcionamento do Governo". Num comunicado emitido hoje, Manuel Delgado esclarece que foi remunerado pelo trabalho de consultor na Raríssimas "muito antes" da entrada no Governo e acrescenta que respeitou na íntegra todo o quadro legal e ético.

  • O que vai mudar nos recibos verdes
    2:55

    Economia

    Os trabalhadores independentes vão descontar menos para a Segurança Social já no próximo ano. A taxa vai descer dos 29,6% por cento para os 21,4%. A descida será compensada por um aumento das contribuições pagas pelos patrões. Há também alterações em caso de desemprego e o subsídio de doença passa a ser pago ao fim de 10 dias em vez de 31.

  • Tripulantes da TAP acusam companhia de desrespeitar compromissos
    3:16

    Economia

    O Sindicato que representa os tripulantes da TAP acusa a empresa de estar a violar a lei. A companhia aérea portuguesa denunciou unilateralmente o acordo de empresa com os tripulantes e apresentou novas condições, que o sindicato considera indignas. Diz que os tripulantes fizeram esforços pela companhia no verão e que agora estão a ser desrespeitados.

  • Erdogan apela ao reconhecimento de Jerusalém Oriental como capital
    2:01
  • Bebé nasce com coração fora do peito e sobrevive
    2:06
  • Zapatou volta a eleger os melhores vídeos da internet
    6:28