sicnot

Perfil

Mundo

"Não comprei o silêncio de ninguém"

"Não comprei o silêncio de ninguém"

Numa declaração ao país, esta quinta-feira, Michel Temer deixou claro que não vai renunciar ao cargo. O Presidente brasileiro realçou ainda que não comprou o silêncio de ninguém e diz nada ter a esconder.

  • Temer terá fornecido informação privilegiada a empresa brasileira
    2:19

    Mundo

    A contestação a Michel Temer está a crescer, depois da revelação de que o Presidente brasileiro aceitou subornos ao líder do Parlamento, atualmente detido. Temer terá ainda fornecido informação privilegiada a uma das maiores empresas brasileiras, a J&S. No congresso brasileiro, são os deputados do PT que encabeçam já a contestação a Temer. Nas ruas brasileiras, milhares de pessoas exigiram a demissão ou destituição do atual Presidente.

  • Fernando Henrique Cardoso pede a Temer que se demita

    Mundo

    O ex-Presidente brasileiro Fernando Henrique Cardoso reagiu esta quinta-feira ao escândalo de corrupção que envolve o atual Presidente, Michel Temer, defendendo que este respeite a Constituição e se demita, numa mensagem publicada na rede social Facebook, mas sem nunca o nomear. "A solução para a grave crise atual deve dar-se no absoluto respeito à Constituição", escreveu FHC.

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Viver em Évora
    5:11
  • Ano letivo "de uma maneira geral começou bem"

    País

    O Presidente da República considerou esta sexta-feira que o ano letivo "de uma maneira geral começou bem" e defendeu a possibilidade serem feitas "correções" a situações "injustas ou discutíveis" entre os concursos que se realizam de quatro em quatro anos.