sicnot

Perfil

Mundo

"Não renunciarei. Repito, não renunciarei"

O Presidente do Brasil, Michel Temer, anunciou esta quinta-feira, numa declaração ao país, que não vai renunciar ao cargo, depois de se ter visto envolvido num escândalo de alegado suborno.

Temer garantiu que não deixará o Governo após a divulgação de gravações, por empresários da JBS, com alegados pedidos de suborno que envolvem o seu nome.

Citado numa gravação entregue por Joesley Batista, dono da JBS, na qual alegadamente apoiou o pagamento de suborno ao ex-deputado Eduardo Cunha, o chefe de Estado brasileiro negou ter qualquer relação com este facto.

"Ouvi, realmente, o relato de um empresário que por ter relações de um ex-deputado [Eduardo Cunha] auxiliava a família dele, mas não solicitei que isto acontecesse e só tive acesso a este facto nesta conversa", declarou.

"Em nenhum momento autorizei que pagassem a quem quer que seja para ficar calado, não comprei o silêncio de ninguém por uma razão singela que não temo nenhuma delação [acordo de investigados com a Justiça em troca de redução da pena]", concluiu Temer.

Também hoje, o juiz Edson Fachin, relator dos casos de corrupção da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal, autorizou a abertura de um inquérito contra o Presidente brasileiro.

O pedido foi feito pela Procuradoria-Geral da República com base numa denúncia feita pelos donos da JBS, os empresários Joesley Batista e Wesley Batista, que gravaram uma conversa com o chefe de Estado, na qual ele supostamente terá dado aval para o pagamento de suborno ao ex-deputado Eduardo Cunha, preso por envolvimento nos casos de corrupção da Petrobras.

Também o senador brasileiro Aécio Neves foi afastado do mandato pelo Supremo Tribunal Federal.

Candidato derrotado nas últimas eleições e atual presidente do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), que apoia o Governo de Michel Temer, Aécio Neves foi gravado por Joesley Batista a pedir 2 milhões de reais (cerca de 570 mil euros) como suborno.

  • Temer terá fornecido informação privilegiada a empresa brasileira
    2:19

    Mundo

    A contestação a Michel Temer está a crescer, depois da revelação de que o Presidente brasileiro aceitou subornos ao líder do Parlamento, atualmente detido. Temer terá ainda fornecido informação privilegiada a uma das maiores empresas brasileiras, a J&S. No congresso brasileiro, são os deputados do PT que encabeçam já a contestação a Temer. Nas ruas brasileiras, milhares de pessoas exigiram a demissão ou destituição do atual Presidente.

  • Aécio Neves apanhado nas gravações que comprometeram Temer
    1:35

    Mundo

    A gravação feita pelos irmãos da J&S apanharam não só Michel Temer, mas também o ex-candidato a Presidente e atual senador, Aécio Neves, que terá recebido 530 mil reais. Em troca, o senador ofereceu um cargo de direção na Vale, uma grande empresa de minério. A polícia chegou a filmar uma das entregas de malas com o dinheiro ao primo de Aécia, que está atualmente detido.

  • Fernando Henrique Cardoso pede a Temer que se demita

    Mundo

    O ex-Presidente brasileiro Fernando Henrique Cardoso reagiu esta quinta-feira ao escândalo de corrupção que envolve o atual Presidente, Michel Temer, defendendo que este respeite a Constituição e se demita, numa mensagem publicada na rede social Facebook, mas sem nunca o nomear. "A solução para a grave crise atual deve dar-se no absoluto respeito à Constituição", escreveu FHC.

  • Mação volta a enfrentar dias de pânico
    3:33
  • Fogo obrigou à evacuação de 6 aldeias do concelho do Sardoal
    1:56

    País

    O incêndio que chegou ao Sardoal obrigou à evacuação de seis aldeias. As pessoas foram encaminhadas para as instalações da Santa Casa da Misericórdia e vão regressando ao longo do dia de hoje. A A23 foi reaberta de madrugada, depois de ter estado várias horas cortada nos dois sentidos .

  • Detida no Brasil portuguesa acusada de várias burlas nos últimos 20 anos
    3:04

    Mundo

    A Polícia do Rio de Janeiro deteve uma portuguesa acusada de várias burlas nos últimos 20 anos. Ana Resende fazia-se passar por funcionária do consulado e prometia vistos e outros documentos para tirar dinheiro das vítimas. Esta é a terceira vez que a polícia brasileira detém a portuguesa por acusações de burla.