sicnot

Perfil

Mundo

Ataque contra base militar na Líbia provoca 141 mortos

Suhaib Salem

Pelos menos 141 pessoas morreram na quinta-feira num ataque contra uma base militar no sul da Líbia, anunciou esta sexta-feira fonte militar líbia.

O ataque foi conduzido pela Third Force, grupo armado de Misrata (norte da Líbia), oficiosamente leal ao Governo de União Nacional (GNA), e o Exército Líbio Nacional (ELN), que controlava a base aérea de Brak al-Shati.

A maioria das vítimas eram soldados leais ao marechal Khalifa Haftar, que durante a guerra civil do país foi um dos comandantes militares do Conselho Nacional de Transição (organização formada por opositores ao regime do ditador Muammar Khadafi).

O porta-voz do ELN, Ahmad al-Mesmari, disse que, além dos mortos, houve vários feridos e desaparecidos no ataque, e alguns civis que trabalhavam na base ou que se encontravam nas proximidades também foram apanhados no ataque.

"Os soldados mortos estavam a regressar de um desfile militar no leste da Líbia. A maioria deles estavam desarmados e foram executados", acrescentou al-Mesmari numa conferência de imprensa.

O chefe da missão de apoio das Nações Unidas na Líbia, Martin Kobler, manifestou-se indignado com o número de mortos.

A base militar localiza-se 650 quilómetros a sul de Tripoli, numa zona deserta, onde a autoridade estatal está praticamente ausente desde que a Líbia mergulhou no caos, depois da queda de Muammar Khadafi, em 2011.

Lusa

  • Atacantes usaram "tática defendida pelos extremistas do Daesh"
    1:43

    Ataque em Barcelona

    O ex-presidente do Observatório de Segurança, Criminalidade Organizada e Terrorismo esteve em direto, para a SIC Notícias, onde falou sobre o ataque desta quinta-feira nas Ramblas, em Barcelona. José Manuel Anes falou na tática defendida na revista dos extremistas do Daesh e que foi usada neste ataque: a utilização de viaturas "de preferência as mais pesadas para matar o maior número de pessoas".