sicnot

Perfil

Mundo

Itália obriga todas as crianças a serem vacinadas

O Governo italiano aprovou esta sexta-feira um decreto-lei que obriga todas as crianças a serem vacinadas antes de se matricularem no ensino primário. Se as crianças não forem vacinadas até aos seis anos de idade, os pais serão multados.

A implementação da obrigatoriedade vai servir para evitar situações de emergência. A Itália registou quase três vezes mais casos de sarampo desde janeiro de 2017 do que em todo o ano de 2016.

"A falta de medidas apropriadas ao longo dos anos e a disseminação de teorias anti-científicas, especialmente nos últimos meses, levou a uma redução na proteção", alertou o primeiro-ministro Paolo Gentiloni.

Segundo a BBC, as doenças contra as quais as crianças devem ser vacinadas são:

  • Poliomielite
  • Difteria
  • Tétano
  • Hepatite B
  • Haemophilus influenzae B
  • Meningite B
  • Meningite C
  • Sarampo
  • Caxumba
  • Rubéola
  • Coqueluche
  • Catapora

Antes do novo decreto-lei, as vacinas contra a meningite e o sarampo eram apenas "recomendadas" e não obrigatórias.

A ministra da Saúde italiana, Beatrice Lorenzin, diz que com esta nova medida estão a enviar "uma mensagem muito forte ao público".

Na Itália o número de crianças de dois anos vacinadas contra o sarampo caiu de mais de 90% para cerca de 80%. Segundo a Organização Mundial de Saúde os números devem rondar os 95% ou mais.

A medida surge quase dois meses depois da Itália descobrir que uma enfermeira adulterava vacinas dadas a crianças que afinal não lhes protegia de nada. Mais de sete mil crianças foram afetadas. A fraude aconteceu num hospital de Údine e durou mais de seis anos (de novembro de 2009 a dezembro de 2015).

  • Atacantes usaram "tática defendida pelos extremistas do Daesh"
    1:43

    Ataque em Barcelona

    O ex-presidente do Observatório de Segurança, Criminalidade Organizada e Terrorismo esteve em direto, para a SIC Notícias, onde falou sobre o ataque desta quinta-feira nas Ramblas, em Barcelona. José Manuel Anes falou na tática defendida na revista dos extremistas do Daesh e que foi usada neste ataque: a utilização de viaturas "de preferência as mais pesadas para matar o maior número de pessoas".