sicnot

Perfil

Mundo

Antigo guarda de Auschwitz morre aos 95 anos

POOL New

Reinhold Hanning, um antigo sargento das SS condenado em 2016 por 170.000 crimes de cumplicidade em homicídio enquanto guarda do campo de concentração nazi de Auschwitz, morreu na terça-feira com 95 anos, anunciou hoje o advogado.

Andreas Scharmer, o advogado, não deu quaisquer pormenores além da data da morte.

Hanning foi condenado em junho de 2016 a cinco anos de prisão, mas não chegou a cumprir pena porque aguardava o resultado do recurso que interpôs. Embora não haja provas de que tenha participado diretamente em qualquer homicídio em Auschwitz, a justiça alemã condenou-o por cumplicidade por ter contribuído para o funcionamento do campo de extermínio.

Em tribunal, afirmou sentir "vergonha por ter visto a injustiça e nunca ter feito nada em relação a isso".

Hanning foi guarda do campo de concentração entre janeiro de 1943 e junho de 1944, quando tinha 23 anos.

Jovem operário recrutado aos 18 anos pelas Waffen SS (força militar do partido nazi de Adolf Hitler), Hanning combateu nos Balcãs e na frente russa antes de ser transferido, no início de 1942, para Auschwitz.

Depois da capitulação do Terceiro Reich, Hanning passou uma temporada num campo de prisioneiros aliado, antes de retomar a vida como cidadão normal.

Estima-se que tenham morrido mais de 1,1 milhões de pessoas em Auschwitz - o mais mortífero campo de extermínio nazi -, na sua maioria judeus, mas também homossexuais, ciganos e comunistas, incluindo mulheres, crianças e idosos, tanto na câmara de gás, como de fome ou por doenças.

Lusa

  • Frio no fim de semana, regiões do interior podem chegar aos -5 °C
    1:23
  • Bombeiro ferido nos fogos de Pedrógão Grande regressou a casa
    2:33

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Seis meses depois dos incêndios de Pedrógão Grande, regressou a casa o último dos bombeiros de Castanheira de Pera que estava internado desde junho. Rui Rosinha esteve em coma mais de dois meses e tem ainda pela frente uma longa recuperação. O bombeiro não quer que o país esqueça o que aconteceu e espera que as duas tragédias deste ano (fogos de junho e outubro) sirvam de lição para o futuro.

  • Pedrógão Grande, seis meses depois - documentário Expresso
    0:29
  • Ilhas Selvagens são um tesouro no Atlântico que é preciso preservar
    2:33
  • PS volta a subir nas intenções de voto e não baixa dos 40%
    2:01