sicnot

Perfil

Mundo

Liberais Democratas britânicos indisponíveis para coligações ou acordos

Darren Staples

O partido dos Liberais Democratas reiterou esta quinta-feira que não formará coligações nem acordos com qualquer partido, independente do resultado das eleições legislativas de hoje.

"Estamos a receber muitos telefonemas, por isso vamos ser claros: Não a coligações. Não a acordos", escreveu o gabinete de imprensa do partido na sua conta na rede social Twitter.

A posição reforça o que já tinha sido afirmado pelo líder do partido, Tim Farron, numa entrevista ao jornal Observer: "nenhum acordo, nenhum acordo com ninguém".

Segundo uma sondagem comum divulgada hoje pelas três estações televisivas britânicas BBC, ITV e Sky, o partido Conservador vai perder a maioria absoluta no parlamento.

O estudo indica que o partido Conservador terá 314 deputados, perdendo 17, e o partido Trabalhista vai eleger 266, mais 34 do que tem atualmente.

A confirmarem-se estes resultados, o 'Labour' poderia tentar formar um governo minoritário se conseguisse o apoio de outros partidos no parlamento.

Os Liberais Democratas deverão também aumentar o seu grupo parlamentar, de voto para 14, enquanto que o partido dos Verdes manterá a sua única deputada, a co-líder, Caroline Lucas.

A mesma sondagem previa que o Partido Nacionalista Escocês (SNP) vai eleger 34 deputados, menos 16 do que em 2015, enquanto que os nacionalistas galeses do Plaid Cymru vão manter os três atuais lugares.

O partido eurocético UKIP não vai eleger qualquer deputado, sendo os restantes lugares distribuídos por partidos da Irlanda do Norte.

Lusa

  • Cinco anos depois do incêndio na Serra do Caldeirão
    5:24
  • Destaques económicos que marcaram a semana
    2:03

    Economia

    A semana ficou marcada pela tragédia provocada pelos incêndios no centro do país. No entanto importa olhar para o que se passou noutras áreas e fazer um resumo das notícias relacionadas com a economia. 

  • Martin Schulz ataca Merkel a três meses das legislativas

    Mundo

    O social-democrata alemão Martin Schulz passou este domingo à ofensiva, a três meses das eleições legislativas, ao acusar Angela Merkel de "arrogância" e de sabotar a "democracia", quando as sondagens apontam para uma larga vantagem da chanceler da Alemanha.

  • Martha, a cadela mais feia do mundo
    0:42

    Mundo

    A cadela Martha, de raça mastim napolitano ficou em primeiro lugar na edição anual do concurso que elege os cães mais feios do mundo. A cadela tem três anos, pesa 57 quilos e foi resgatada pela dona quando estava praticamente cega. Acabou por recuperar a visão depois de várias operações. Martha e a dona receberam um prémio de 1.500 dólares e uma viagem a Nova Iorque para marcarem presença em programas de televisão.