sicnot

Perfil

Mundo

Mais de três mil detidos em 69 dias de protestos contra Maduro

Carlos Garcia Rawlins

Pelo menos 3.106 pessoas foram detidas desde 01 de abril deste ano na Venezuela, na sequência de protestos contra o Governo do Presidente Nicolás Maduro, segundo dados divulgados esta quinta-feira pela ONG Foro Penal Venezuelano (FPV).

Segundo o presidente da FPV, o advogado Alfredo Romero, 370 civis estão a ser submetidos a julgamentos militares e o número de presos políticos subiu de 98 para 308.Através da sua conta no Twitter, aquele responsável precisou que 1.362 das pessoas detidas em 69 dias de protestos continuam presas.

"O regime está a aumentar o número dos presos políticos, para aumentar o seu 'botín' (fichas de negociação), para controlar negociações políticas", frisou.

Hoje, numa audiência pública da Comissão de Direitos Humanos, Alfredo Romero, denunciou vários casos de alegados abusos sexuais por parte de funcionários das forças de segurança contra pessoas detidas em manifestações.

Por outro lado, explicou que o maior número de casos de abusos sexuais e violações de domicílio ocorreu em Los Altos Mirandinos, a sul de Caracas.

Na Venezuela, as manifestações a favor e contra o Presidente Nicolás Maduro intensificaram-se desde 01 de abril último, depois de o Supremo Tribunal de Justiça divulgar dois acórdãos que limitavam a imunidade parlamentar e em que aquele organismo assumia as funções do parlamento.

Entre queixas sobre o aumento da repressão, os opositores manifestam-se ainda contra a convocatória de uma Assembleia Constituinte, feita a 01 de maio último pelo Presidente Nicolás Maduro.

Dados divulgados recentemente pelo ministro da Comunicação e Informação, Ernesto Viegas, dão conta de que pelo menos 82 pessoas já morreram desde abril.No entanto, segundo o Ministério Público, o número de mortos é de 67.

Lusa

  • "A nossa lei tem demasiados buracos"
    0:44

    País

    Rui Cardoso acusa a classe política de não querer resolver os problemas da corrupção em Portugal. Entrevistado na Edição da Noite da SIC Notícias o magistrado do Ministério Público considera que ainda há um longo caminho a percorrer no combate à corrupção.

  • Salah Abdeslam deixa cadeira vazia na leitura da sua sentença
    2:05

    Mundo

    O único suspeito vivo dos ataques de Paris em 2015 foi esta segunda-feira condenado a 20 anos de prisão por um tribunal belga, num processo paralelo: um tiroteio em março de 2016, em Bruxelas. Tanto Salah Abdeslam como o cúmplice não quiseram estar na leitura da sentença. O julgamento de Salah Abdeslam pelos ataques de Paris só deverá acontecer no próximo ano, em França.

  • Beyoncé e a irmã caem e o vídeo torna-se viral

    Cultura

    Beyoncé voltou este fim de semana a subir ao palco do Coachella, depois de ter atuado na primeira semana do festival que decorreu no deserto da Califórnia, nos EUA. A cantora norte-americana voltou a brilhar, mas foi o momento em que caiu no palco com a irmã, Solange, que acabou por se tornar viral.

    SIC

  • Cientistas querem sequenciar genomas de 15 milhões de espécies

    Mundo

    Um consórcio internacional de cientistas, que por enquanto não inclui portugueses, propõe-se sequenciar, catalogar e analisar os genomas (conjuntos de informação genética) de 15 milhões de espécies, uma tarefa que levará dez anos a fazer, foi divulgado esta segunda-feira.