sicnot

Perfil

Mundo

Salman Rushdie denuncia a "cegueira estúpida" do Ocidente face ao jihadismo

Brian Snyder / Reuters

"É preciso acabar com a cegueira estúpida" do Ocidente face ao jihadismo que consiste em dizer que "isso nada tem a ver com o Islão". Mas tem, garante o escritor Salman Rushdie. "Há 50 anos que o Islão se radicalizou", explica numa entrevista publicada no semanário francês l'Obs.

O escritor britânico de origem indiana vive ainda sob a ameaça de uma fatwa lançada em 1989. Preocupado com o avanço das forças obscurantistas, lança um grito de alarme ao Ocidente: "Parem de recusar ver a realidade das origens do jihadismo".

"Estou em profundo desacordo com as pessoas de esquerda que tentam tudo para dissociar o fundamentalismo do Islão", refere o autor de "Os Versículos Satânicos", o livro de 1988 que provocou grande polémica no mundo muçulmano e lhe valeu uma condenação à morte - o decreto religioso emitido em 1989 pelo Ayatollah Ruhollah Khomeini, que acusa o escritor e todos os envolvidos na publicação e divulgação do livro de blasfémia e apostasia.

"Há 50 anos que o Islão se radicalizou", afirma. "Claro que há uma tradição do Islão esclarecido. Mas hoje em dia não é esse que está no poder", acrescenta na entrevista ao L'Obs (antigo Nouvel Observateur).

"Do lado xiita, houve o Ayatollah Khomeini e a sua Revolução Islâmica. Do lado sunita, há a Arábia Saudita que utilizou os seus imensos recursos para financiar a difusão desse fanatismo que é o wahabismo. Mas esta evolução histórica teve lugar no seio do islão e não no exterior", explica o escritor.

"Quando os elementos do Daesh se fazem explodir eles dizem 'Allahou Akbar', então, como se pode dizer que isso não tem nada a ver com o Islão?", questiona.

Rushdie diz compreender o receio da "estigmatização do Islão" mas, "para evitar essa estigmatização, é bem mais eficaz reconhecer a natureza do problema para o tratar".

O autor premiado com o Booker Prize com "Os filhos da meia-noite" constata com "pavor" que "Marine Le Pen analisa o islamismo com mais justeza que a esquerda".

"É muito inquietante ver que a extrema-direita é capaz de perceber a ameaça de forma mais clara que a esquerda", afirma.

"O pressuposto da esquerda é o de que o mundo ocidental é mau. Portanto, tudo é analisado a partir deste ponto de vista", lamenta.

  • Curiosidades sobre o Mundial da Rússia
    3:08
  • Ronaldo no País dos Sovietes: Algumas curiosidades
    1:54
  • O choro intenso de Neymar explicado pelo próprio
    0:51
  • A queda aparatosa do selecionador do Brasil
    0:05
  • Dia de limpezas em Chaves após noite de chuva intensa e queda de granizo
    2:44
  • Athanasia, uma mulher sem medo das alturas
    0:35

    Mundo

    É grega, chama-se Athanasia Athineau, tem 29 anos e pertence à unidade de forças especiais da Grécia. O salto que podemos ver é de 10 mil pés, mas Athanasia faz também saltos de 30 mil. Neste caso, caíu a uma velocidade de 250 quilómetros por hora antes de abrir o pára-quedas.

  • Talheres de Hitler vendidos por 14 mil euros

    Mundo

    Um conjunto de duas facas, três colheres e três garfos de prata, que pertencia a Adolf Hitler, foi vendido em Dorset, Inglaterra, pelo valor de 12.500 libras (aproximadamente 14.200 euros). O serviço de talheres foi criado no âmbito das celebrações do 50.º aniversário do ditador nazi.

    SIC