sicnot

Perfil

Mundo

Salman Rushdie denuncia a "cegueira estúpida" do Ocidente face ao jihadismo

Brian Snyder / Reuters

"É preciso acabar com a cegueira estúpida" do Ocidente face ao jihadismo que consiste em dizer que "isso nada tem a ver com o Islão". Mas tem, garante o escritor Salman Rushdie. "Há 50 anos que o Islão se radicalizou", explica numa entrevista publicada no semanário francês l'Obs.

O escritor britânico de origem indiana vive ainda sob a ameaça de uma fatwa lançada em 1989. Preocupado com o avanço das forças obscurantistas, lança um grito de alarme ao Ocidente: "Parem de recusar ver a realidade das origens do jihadismo".

"Estou em profundo desacordo com as pessoas de esquerda que tentam tudo para dissociar o fundamentalismo do Islão", refere o autor de "Os Versículos Satânicos", o livro de 1988 que provocou grande polémica no mundo muçulmano e lhe valeu uma condenação à morte - o decreto religioso emitido em 1989 pelo Ayatollah Ruhollah Khomeini, que acusa o escritor e todos os envolvidos na publicação e divulgação do livro de blasfémia e apostasia.

"Há 50 anos que o Islão se radicalizou", afirma. "Claro que há uma tradição do Islão esclarecido. Mas hoje em dia não é esse que está no poder", acrescenta na entrevista ao L'Obs (antigo Nouvel Observateur).

"Do lado xiita, houve o Ayatollah Khomeini e a sua Revolução Islâmica. Do lado sunita, há a Arábia Saudita que utilizou os seus imensos recursos para financiar a difusão desse fanatismo que é o wahabismo. Mas esta evolução histórica teve lugar no seio do islão e não no exterior", explica o escritor.

"Quando os elementos do Daesh se fazem explodir eles dizem 'Allahou Akbar', então, como se pode dizer que isso não tem nada a ver com o Islão?", questiona.

Rushdie diz compreender o receio da "estigmatização do Islão" mas, "para evitar essa estigmatização, é bem mais eficaz reconhecer a natureza do problema para o tratar".

O autor premiado com o Booker Prize com "Os filhos da meia-noite" constata com "pavor" que "Marine Le Pen analisa o islamismo com mais justeza que a esquerda".

"É muito inquietante ver que a extrema-direita é capaz de perceber a ameaça de forma mais clara que a esquerda", afirma.

"O pressuposto da esquerda é o de que o mundo ocidental é mau. Portanto, tudo é analisado a partir deste ponto de vista", lamenta.

  • Presidente da Proteção Civil demitiu-se

    País

    O Presidente da Autoridade Nacional da Proteção Civil (ANPC), Joaquim Leitão, pediu esta quarta-feira a demissão com efeitos imediatos. A carta de demissão foi enviada para o Ministério da Administração Interna, no entanto, uma vez que a ministra também se demitiu, o documento seguiu para o gabinete do primeiro-ministro, António Costa.

  • Provavelmente o melhor golo da noite de Liga Europa
    1:24
  • Vitória de Guimarães mais longe dos 16 avos de final
    1:48
  • O perfil dos novos ministros
    3:22

    País

    Pedro Siza Vieira e Eduardo Cabrita são os dois novos ministros que tomam posse no próximo sábado. Ambos têm uma particularidade: são amigos de longa data do primeiro-ministro António Costa.

  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão

  • Fogos na Califórnia provocaram 42 mortos e perdas acima de mil milhões de dólares

    Mundo

    O comissário dos seguros da Califórnia afirmou esta quinta-feira que as perdas provocadas pelos incêndios que dizimaram extensas áreas deste Estado norte-americano excedem os mil milhões de dólares (844 milhões de euros). Estes incêndios, que começaram no condado de Sonoma County, já provocaram a morte a 42 pessoas no mês de outubro.