sicnot

Perfil

Mundo

Ataques de Teerão "aumentaram o ódio" contra os EUA e a Arábia Saudita

Morteza Nikoubazl

O líder supremo do Irão, Ali Khamenei, disse, hoje, que os atentados de Teerão "aumentaram o ódio" contra os Estados Unidos e a Arábia Saudita, que acusa de envolvimento nos ataques armados.

"O resultado final destes atos [atentados] é o aumento do ódio contra os governos dos Estados Unidos e os agentes que tem na região, entre eles os sauditas", sublinha a mensagem de Ali Khamenei.

O líder iraniano disse que os atentados, de quarta-feira, contra o Parlamento e o mausoléu do aiatola Khomeni, que causaram 17 mortos e, pelo menos, 50 feridos, são uma "demonstração clara do ódio e da hostilidade maligna dos vassalos e da arrogância mundial" contra o povo do Irão, referindo-se especificamente aos Estados Unidos.

Os ataques, acrescentou, são um sinal da hostilidade contra tudo o que está relacionado com a revolução e a república islâmica e o aiatola Khomeni.

Ali Khamenei transmitiu, hoje, condolências às vítimas e disse que ia rezar pela recuperação dos feridos, destacando que o "povo iraniano vai continuar unido".

Os atentados, de quarta-feira, foram as primeiras ações armadas do grupo Estado Islâmico no Irão, apesar das ameaças que já tinham sido dirigidas contra o país de maioria xiita.

Os Guardas da Revolução do Irão foram os primeiros a acusar Washington e Riade de envolvimento nos ataques, prometendo uma resposta "devastadora" a qualquer plano "terrorista".

O general Hossein Salami, subcomandante dos Guardas da Revolução afirmou que os ataques fizeram parte de um "plano político que tem a assinatura" dos Estados Unidos, Israel e Arábia Saudita para minar o "poder" do Irão. "As metódicas operações táticas dos combatentes iranianos vão transformar os locais atacados na tumba dos agressores", disse Hossein Salami em declarações que foram divulgadas nos meios de comunicação social de Teerão.

O general avisou que a reação dos Guardas da Revolução perante novos ataques vai ser "mil vezes maior" do que a que se verificou, na quarta-feira, quando "todos os terroristas acabaram mortos".

Lusa

  • Sabe onde fica a Nambia? Algures em África, segundo Trump

    Mundo

    "O sistema de saúde na Nambia é incrivelmente autossuficiente", declarou o Presidente dos Estados Unidos num discurso proferido num almoço com líderes africanos. No encontro, realizado esta quarta-feira à margem da 72.ª Assembleia-Geral da ONU, em Nova Iorque, Donald Trump repetiu o erro. Os utilizadores das redes sociais não perdoaram mais este "lapso" do chefe de Estado norte-americano.

  • Ambiente e direitos humanos dominam discurso de Costa na ONU
    2:03
  • Yoko Ono obriga limonada "John Lemon" a mudar de nome

    Cultura

    A viúva do Beatle John Lennon ameaçou processar uma empresa de bebidas polaca por causa da limonada "John Lemon". Yoko Ono não terá gostado do trocadilho entre Lennon e Lemon (limão, em inglês) e quer ver toda e qualquer garrafa com este rótulo retirada do mercado.