sicnot

Perfil

Mundo

Ataques de Teerão "aumentaram o ódio" contra os EUA e a Arábia Saudita

Morteza Nikoubazl

O líder supremo do Irão, Ali Khamenei, disse, hoje, que os atentados de Teerão "aumentaram o ódio" contra os Estados Unidos e a Arábia Saudita, que acusa de envolvimento nos ataques armados.

"O resultado final destes atos [atentados] é o aumento do ódio contra os governos dos Estados Unidos e os agentes que tem na região, entre eles os sauditas", sublinha a mensagem de Ali Khamenei.

O líder iraniano disse que os atentados, de quarta-feira, contra o Parlamento e o mausoléu do aiatola Khomeni, que causaram 17 mortos e, pelo menos, 50 feridos, são uma "demonstração clara do ódio e da hostilidade maligna dos vassalos e da arrogância mundial" contra o povo do Irão, referindo-se especificamente aos Estados Unidos.

Os ataques, acrescentou, são um sinal da hostilidade contra tudo o que está relacionado com a revolução e a república islâmica e o aiatola Khomeni.

Ali Khamenei transmitiu, hoje, condolências às vítimas e disse que ia rezar pela recuperação dos feridos, destacando que o "povo iraniano vai continuar unido".

Os atentados, de quarta-feira, foram as primeiras ações armadas do grupo Estado Islâmico no Irão, apesar das ameaças que já tinham sido dirigidas contra o país de maioria xiita.

Os Guardas da Revolução do Irão foram os primeiros a acusar Washington e Riade de envolvimento nos ataques, prometendo uma resposta "devastadora" a qualquer plano "terrorista".

O general Hossein Salami, subcomandante dos Guardas da Revolução afirmou que os ataques fizeram parte de um "plano político que tem a assinatura" dos Estados Unidos, Israel e Arábia Saudita para minar o "poder" do Irão. "As metódicas operações táticas dos combatentes iranianos vão transformar os locais atacados na tumba dos agressores", disse Hossein Salami em declarações que foram divulgadas nos meios de comunicação social de Teerão.

O general avisou que a reação dos Guardas da Revolução perante novos ataques vai ser "mil vezes maior" do que a que se verificou, na quarta-feira, quando "todos os terroristas acabaram mortos".

Lusa

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • Morreu Miguel Beleza

    País

    Miguel Beleza, economista e antigo ministro das Finanças, morreu esta quinta-feira de paragem cardio-respiratória aos 67 anos.

  • "Estamos a ficar sem espaço. Está na hora de explorar outros sistemas solares"

    Mundo

    O físico e cientista britânico Stephen Hawking revelou alguns dos seus desejos para um novo plano de expansão espacial. Hawking está em Trondheim, na Noruega, para participar no Starmus Festival que promove a cultura científica. E foi lá que o físico admitiu que a população mundial está a ficar sem espaço na Terra e que "os únicos lugares disponíveis para irmos estão noutros planetas, noutros universos".

    SIC

  • Não posso usar calções... visto saias

    Mundo

    Perante a proibição de usar calções no emprego, um grupo de motoristas franceses adotou uma nova moda para combater o calor. Os trabalhadores decidiram trocar as calças por saias, visto que a peça de roupa é permitida no uniforme da empresa para a qual trabalham.

  • De refugiada a modelo: a história de Mari Malek

    Mundo

    Mari Malek chegou aos Estados Unidos da América quando era ainda uma criança. Chegada do Sudão do Sul, a menina era uma refugiada à procura de um futuro melhor, num país que não era o seu. Agora, anos depois, Mari Malek é modelo, DJ e atriz, e vive em Nova Iorque. Fundou uma organização sediada no país onde nasceu voltada para as crianças que passam por dificuldade, como também ela passou.