sicnot

Perfil

Mundo

Áustria proíbe véu integral islâmico em espaços públicos

Gisele Marie, a muçulmana que toca heavy metal. A guitarrista da banda "Spectrus" fuma um cigarro antes do concerto para angariação de fundos para os regufiados sírios, no Rio de Janeiro, Brasil.

© Nacho Doce / Reuters

A Áustria vai proibir o uso do véu islâmico integral nos espaços públicos, a partir de 01 de outubro, uma medida da coligação centrista no poder, confrontada com o crescimento da extrema-direita.

Esta proibição do véu integral (a burqa ou o niqab), já existente em França, na Bélgica, na Bulgária e em certas regiões suíças, inscreve-se no quadro de uma "lei de integração" votada, em meados de maio, pelo parlamento.

As infrações à proibição do uso do véu integral no espaço público serão sujeitas a uma multa, que poderá ir até 150 euros.

O anúncio desta medida motivou a discussão na Áustria, nomeadamente, entre a comunidade muçulmana, com o Presidente da República, Alexander Van der Bellen, um ecologista liberal que, hoje, promulgou o diploma, a considerar que "não é uma boa lei".

"Aderimos ao princípio de uma sociedade aberta, o que supõe uma comunicação aberta", justificou a coligação no poder, que junta sociais-democratas (SPÖ) e conservadores (ÖVP), na apresentação da medida.

A lei de integração, na qual se inclui esta medida, prevê igualmente a obrigação, para refugiados e requerentes de asilo, da assinatura de um "contrato de integração" de um ano, incluindo cursos de língua, educação cívica, avaliação de competências e preparação para a integração profissional.

O ministro austríaco dos Negócios Estrangeiros, Sebastian Kurz, provocou controvérsia ao dizer, no início do ano, que desejava ir mais além e banir o uso do véu em funções públicas.

Kurz, de 30 anos, assumiu a liderança do Partido Conservador, em meados de maio, e decidiu pôr fim à coligação com o SPÖ, no poder desde 2007, provocando o anúncio de legislativas antecipadas para 15 de outubro.

Lusa

  • Presidente da Proteção Civil demitiu-se

    País

    O Presidente da Autoridade Nacional da Proteção Civil (ANPC), Joaquim Leitão, pediu esta quarta-feira a demissão com efeitos imediatos. A carta de demissão foi enviada para o Ministério da Administração Interna, no entanto, uma vez que a ministra também se demitiu, o documento seguiu para o gabinete do primeiro-ministro, António Costa.

  • Provavelmente o melhor golo da noite de Liga Europa
    1:24
  • Vitória de Guimarães mais longe dos 16 avos de final
    1:48
  • O perfil dos novos ministros
    3:22

    País

    Pedro Siza Vieira e Eduardo Cabrita são os dois novos ministros que tomam posse no próximo sábado. Ambos têm uma particularidade: são amigos de longa data do primeiro-ministro António Costa.

  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão

  • Fogos na Califórnia provocaram 42 mortos e perdas acima de mil milhões de dólares

    Mundo

    O comissário dos seguros da Califórnia afirmou esta quinta-feira que as perdas provocadas pelos incêndios que dizimaram extensas áreas deste Estado norte-americano excedem os mil milhões de dólares (844 milhões de euros). Estes incêndios, que começaram no condado de Sonoma County, já provocaram a morte a 42 pessoas no mês de outubro.