sicnot

Perfil

Mundo

Qatar rejeita lista de "terroristas" publicada pela Arábia Saudita e aliados

Naseem Zeitoon

O Qatar rejeitou, hoje, as acusações "infundadas" que constam de uma lista de indivíduos e organizações "terroristas" apoiados, segundo a Arábia Saudita e aliados, por Doha. "A recente declaração publicada pela Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos, Bahrein e Egito (...) confirma, mais uma vez, as acusações infundadas", afirmou o Qatar num comunicado.

Doha reagia, assim, a uma lista de indivíduos e organizações alegadamente ligadas a atividades "terroristas" apoiadas pelo Qatar, publicada pela Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos, Bahrein e Egito, que cortaram, na segunda-feira, relações diplomáticas com o país.

A lista elenca 59 pessoas e 12 entidades que se encontram "ligados ao Qatar e estão ao serviço de um programa político suspeito do Qatar", o que demonstra - segundo o comunicado conjunto dos quatro países - que Doha "afirma, por um lado, lutar contra o terrorismo, mas que, por outro, apoia, financia e abriga organizações terroristas".

"A nossa posição na luta contra o terrorismo é mais forte do que a de muitos dos signatários desse comunicado conjunto", acrescentou o governo do Qatar.

Essa lista, publicada, hoje, pelos sauditas e seus aliados, contém pelo menos dois nomes já citados internacionalmente como financiadores do terrorismo e contra os quais o Qatar tomou medidas, de acordo com um relatório recente publicado pelo Departamento de Estado norte-americano.

Da lista fazem, também, parte indivíduos e grupos oriundos do Egito, Bahrein ou da Líbia.

A Arábia Saudita, os Emirados Árabes Unidos, o Bahrein e o Egito anunciaram, sucessivamente, na segunda-feira, o corte de relações diplomáticas com o Qatar - num gesto depois seguido por outros países como Iémen e Líbia -, acusando-o de "apoiar o terrorismo" e de manter relações próximas com o Irão, num gesto que desencadeou a mais grave crise regional desde a guerra do Golfo, em 1991.

O corte de relações diplomáticas - complementado com uma série de medidas para isolar o país, como o encerramento de fronteiras terrestres e do espaço aéreo e marítimo aos seus meios de transporte - culmina em anos de tensões na aliança entre os produtores de petróleo do Golfo e reflete uma irritação, crescente, dos países vizinhos com o apoio do Qatar a organizações que os outros Estados árabes consideram terroristas.

Esses países acusam Doha de ter ligações com "organizações terroristas e grupos sectários que procuram desestabilizar a região, entre os quais a Irmandade Muçulmana, o Daesh (acrónimo árabe do grupo autoproclamado Estado Islâmico) e Al-Qaida".

O Qatar rejeita as acusações, classificando-as como "calúnias injustificadas", e garante que "está a lutar contra o terrorismo e o extremismo", enquanto a comunidade internacional tenta arranjar forma de pôr fim a esta crise diplomática.

Lusa

  • A fábrica de caças na base aérea de Monte Real
    3:35
  • Comprar ou arrendar casa?
    8:25
  • Fui contactado por um espectador do “Contas-Poupança” (quartas-feiras, Jornal da Noite, SIC) e leitor do blogue www.contaspoupanca.pt, que foi surpreendido com uma carta do banco a aumentar o spread porque um dos serviços que tinha subscrito tinha sido extinguido. Neste caso específico, a domiciliação de ordenado. Ora, o cliente ficou estupefacto porque não mudou de empresa, não foi despedido nem tinha havido nenhuma alteração no recebimento do ordenado naquela conta.

    Pedro Andersson

  • NotPetya: Lourenço Medeiros explica o novo ciberataque global
    2:44

    Mundo

    A Ucrânia está a ser seriamente afetada por um novo ataque informático. Algumas empresas de grande dimensão estão a ser prejudicadas, agravando a dimensão global do ataque, o qual não parece ser dirigido a ninguém em concreto. Ontem, nas primeiras horas do ataque, não parava de crescer o número de vítimas.

  • Temer acusado de prejudicar Polícia Federal
    2:36
  • Violência volta às favelas do Rio de Janeiro
    3:21

    Mundo

    As favelas do Rio de Janeiro voltaram aos níveis de violência dos anos 90. A cidade de Deus foi uma das favelas pacificadas que voltou a registar tiroteios diariamente, os moradores falam de situações de trauma e do medo das crianças.

  • Trump interrompe telefonema para elogiar jornalista

    Mundo

    A jornalista irlandesa Caitriona Perry viu-se esta terça-feira envolvida num momento que a própria classificou de "bizarro": um encontro inesperado com Donald Trump, que interrompeu um telefonema com o primeiro-ministro irlandês para... a elogiar.

    SIC

  • Caricaturas de Trump invadem capital do Irão

    Mundo

    O Irão está a organizar um concurso internacional de caricaturas do Presidente norte-americano Donald Trump. Pelas ruas de Teerão já vão surgindo algumas imagens alusivas ao festival que vai realizar-se no próximo mês de julho.

  • Companhia aérea obriga deficiente físico a entrar no avião sem ajuda

    Mundo

    Um homem com uma deficiência física que o obriga a andar numa cadeira de rodas foi obrigado a subir sozinho as escadas de um avião da companhia aérea Vanilla Air. Hideto Kijima deparou-se com a situação quando estava a embarcar da ilha de Amami para Osaka, no Japão, com vários amigos que foram proibidos de o ajudar.

  • De onde vem o dinheiro de Isabel II?

    Mundo

    A rainha Isabel II vai ser aumentada - pelo exercício das suas funções -, em 2018, para 82,2 milhões de libras (93,5 milhões de euros). Este valor é pago pelo Estado britânico. Contudo, esta não é a única fonte de rendimento da rainha de Inglaterra. Isabel II também recebe pelas terras, casas e empresas que tem espalhadas pelo Reino Unido.

  • Cão corre os EUA a entregar águas aos árbitros em jogos de basebol
    0:20