sicnot

Perfil

Mundo

Conservadores franceses pedem mobilização na segunda volta

O responsável da campanha eleitoral do partido conservador Os Republicanos, François Baroin. (Arquivo)

Charles Platiau

O responsável da campanha eleitoral do partido conservador Os Republicanos apelou este domingo a uma "mobilização" na segunda volta das legislativas francesas, no próximo domingo, para evitar que "um só partido", o do Presidente, concentre todo o poder.

"Dentro de uma semana, chega a grande eleição; a mobilização de todos é imperativa", disse hoje François Baroin, pouco depois do encerramento das urnas na primeira volta das legislativas francesas.

Segundo as primeiras projeções de voto difundidas pelos media franceses, o partido Os Republicanos reúne entre 20% e 21 % dos votos, muito abaixo dos 32% previstos para o partido do Presidente francês, Emmanuel Macron, A República Em Marcha!.
Baroin defendeu que a abstenção registada na primeira volta, superior a 50%, reflete "uma sociedade fraturada".

"É um nível de abstenção nunca visto e reflete a persistência da fratura na sociedade francesa", disse.

O partido do Presidente Emmanuel Macron venceu hoje a primeira volta das eleições legislativas em França, com cerca de 32% dos votos, segundo projeções divulgadas pelos media.

De acordo com as mesmas projeções, o partido A República em Marcha! obteve cerca de 32% dos votos, Os Republicanos entre 20 a 21%, a Frente Nacional entre 13 e 14%, a França Insubmissa quase 11% e o Partido Socialista 9%.

Segundo as projeções da estação televisiva francesa France 2, divulgadas às 20:00 (menos uma em Lisboa), A República em Marcha!, aliada ao partido centrista MoDem, poderá vir a eleger entre 390 e 430 deputados, os Republicanos entre 85 e 125, o PS entre 20 e 35, a França Insubmissa entre 11 e 21 e a Frente Nacional entre 3 e 10.

A maioria absoluta no parlamento francês é de 289 assentos parlamentares em 577.

Lusa

  • "O ministro está na frigideira"
    5:33

    Opinião

    O ministro da Segurança Social, Vieira da Silva, "está cada vez mais numa posição fragilizada" devido às suspeitas de irregularidades na associação Raríssimas, diz o subdiretor de Informação da SIC, Bernardo Ferrão. Vieira da Silva já falou sobre o caso duas vezes, mas "sempre de forma algo atralhada" e "ainda não matou todas as dúvidas".

    Bernardo Ferrão

  • O que vai mudar nos recibos verdes
    2:55
  • Democratas não venciam no Alabama há 27 anos
    1:50