sicnot

Perfil

Mundo

Macron vota sob forte atenção popular e mediática

Macron vota sob forte atenção popular e mediática

Mais de 47 milhões de eleitores votam este domingo, em França, para a primeira volta das eleições legislativas. As sondagens dão a vitória ao movimento "A República Em Marcha", do recém-eleito Presidente, Emmanuel Macron, que procura uma maioria absoluta na Assembleia para governar.

O Presidente de França, Emmanuel Macron, votou hoje na cidade de Le Touquet para a primeira volta das legislativas, atraindo forte atenção popular e mediática, tal como aconteceu nas eleições presidenciais.

Acompanhado pela mulher Brigitte, o chefe de Estado, eleito no passado 7 de maio, exerceu o seu direito de voto pouco antes das 12:00 locais (11:00 em Lisboa).

O casal votou em Le Touquet, zona balneária e turística muito concorrida pelas suas praias próximas de Paris, onde tem uma casa de férias e em torno da qual foi montado um perímetro de segurança.

Várias centenas de pessoas aguardavam Macron e Brigitte à saída de casa e junto à assembleia de voto, onde chegaram de carro.

Macron e a mulher chegaram no sábado à tarde à localidade de Le Touquet, onde os meios de comunicação social apanharam o Presidente a passear de bicicleta.

Está previsto que o chefe de Estado francês regresse depois do almoço a Paris, para aí acompanhar o desenvolvimento das eleições.

Depois de vencer a Presidência em 07 de maio, com 66,1% dos votos, contra os 33,9% da sua adversária da extrema-direita Marine Le Pen, as projeções apontam para uma ampla maioria para o movimento por si criado, 'A República em Marcha!'.

Eliminados na primeira volta das presidenciais, os tradicionais partidos de esquerda e direita que partilham o poder em França desde há 60 anos, temem ser hoje varridos por uma 'onda azul', a cor do movimento presidencial criado há apenas um ano.

Segundo várias projeções, o movimento República Em Marcha poderá mesmo conquistar perto de 400 deputados, muito além do limite de 289 assentos parlamentares necessário para obter a maioria absoluta.

Estas legislativas revestem-se de uma enorme importância para Emmanuel Macron, que precisa de uma sólida maioria absoluta para aplicar a sua política de reformas social-liberais: moralização de uma vida política minada por escândalos financeiros, flexibilização do código de trabalho -- correndo o risco de desencadear a ira dos sindicatos -- e redução dos défices públicos, em cumprimento das normas europeias.

As urnas abriram hoje às 08:00 (07:00 em Lisboa) em França para a primeira volta das legislativas, um mês depois da eleição do Presidente centrista Emmanuel Macron, cujo partido procura obter maioria para concretizar as reformas prometidas na campanha.

Mais de 47 milhões de franceses são chamados a escolher os 577 deputados da Assembleia Nacional (11 dos quais em representação dos franceses residentes no estrangeiro) até às 20:00 (19:00 em Lisboa), altura em que encerram as assembleias de voto e devem ser divulgadas as primeiras projeções assentes em resultados parciais.

Os candidatos que hoje não conseguirem ser eleitos com mais de 50% dos votos, passam à segunda volta, a 18 de junho, se tiverem tido, pelo menos, 12,5% dos votos dos eleitores inscritos.

Com Lusa

  • Ministra emocionou-se no Parlamento
    2:26

    Tragédia em Pedrógão Grande

    A ministra da Administração Interna disse esta quarta-feira no Parlamento que está, desde a primeira hora, a recolher, analisar e cruzar todos os dados do incêndio de Pedrógão Grande. Constança Urbano de Sousa emocionou-se diante dos deputados e admitiu que tem ainda muitas dúvidas sobre o que aconteceu. Foi pedido um estudo independente ao funcionamento do sistema de comunicações de emergência e uma auditoria à Secretaria-Geral da Administração Interna, a entidade gestora do SIRESP. A ministra explicou porquê.

  • "O que mais tem havido nesta altura são respostas precipitadas"
    7:21

    Opinião

    Foi um "debate contido" o de hoje, no Parlamento, sobretudo no frente-a-frente entre António Costa e Passos Coelho, na opinião de Bernardo Ferrão. O subdiretor de informação da SIC sublinha uma declaração "mortal" do primeiro-ministro, quando este disse que "ninguém quer respostas precipitadas". Por outro lado, a comissão técnica independente pedida pelo PSD pode virar-se contra o próprio partido.

    Bernardo Ferrão

  • NotPetya: Lourenço Medeiros explica o novo ciberataque global
    2:44

    Mundo

    A Ucrânia está a ser seriamente afetada por um novo ataque informático. Algumas empresas de grande dimensão estão a ser prejudicadas, agravando a dimensão global do ataque, o qual não parece ser dirigido a ninguém em concreto. Ontem, nas primeiras horas do ataque, não parava de crescer o número de vítimas.

  • Caricaturas de Trump invadem capital do Irão

    Mundo

    O Irão está a organizar um concurso internacional de caricaturas do Presidente norte-americano Donald Trump. Pelas ruas de Teerão já vão surgindo algumas imagens alusivas ao festival que vai realizar-se no próximo mês de julho.

  • De onde vem o dinheiro de Isabel II?

    Mundo

    A rainha Isabel II vai ser aumentada - pelo exercício das suas funções -, em 2018, para 82,2 milhões de libras (93,5 milhões de euros). Este valor é pago pelo Estado britânico. Contudo, esta não é a única fonte de rendimento da rainha de Inglaterra. Isabel II também recebe pelas terras, casas e empresas que tem espalhadas pelo Reino Unido.

  • Companhia aérea obriga deficiente físico a entrar no avião sem ajuda

    Mundo

    Um homem com uma deficiência física que o obriga a andar numa cadeira de rodas foi obrigado a subir sozinho as escadas de um avião da companhia aérea Vanilla Air. Hideto Kijima deparou-se com a situação quando estava a embarcar da ilha de Amami para Osaka, no Japão, com vários amigos que foram proibidos de o ajudar.