sicnot

Perfil

Mundo

Procurador-geral dos EUA ouvido na terça-feira no Senado sobre alegada ingerência russa

Christopher Aluka Berry

O procurador-geral dos Estados Unidos, Jeff Sessions, vai ser ouvido, na próxima terça-feira, no Senado sobre a alegada ingerência russa nas eleições presidenciais norte-americanas em 2016.

."À luz das informações respeitantes ao recente testemunho de [Notes:James] Comey [Notes:ex-diretor do FBI] , diante do seleto Comité dos Serviços de Inteligência do Senado, é importante que eu tenha a oportunidade de abordar estas questões", anuncia Jeff Sessions, em comunicado.

Sessions argumenta que esta comissão da câmara alta do Congresso se afigura como o "fórum mais apropriado" para abordar "estes assuntos", atendendo a que "leva a cabo uma investigação e tem acesso a informação relevante e classificada".

O procurador-geral dos Estados Unidos não refere, porém, se a audição será pública ou se vai decorrer à porta fechada.O ex-diretor do FBI testemunhou publicamente na quinta-feira, mas também foi realizado um encontro com o comité à porta fechada para discutir assuntos envolvendo informações classificadas.

O procurador-geral dos Estados Unidos tinha previsto comparecer na terça-feira diante de dois subcomités do Senado.

No entanto, depois de alguns senadores democratas terem adiantado que pretendiam aproveitar a ocasião para o questionar sobre as suas supostas relações com o Kremlin e o seu papel na investigação da alegada ingerência russa nas presidenciais, Jeff Sessions decidiu falar diante do Comité dos Serviços de Inteligência.

Segundo os 'media' norte-americanos, o ex-diretor do FBI James Comey -- demitido em maio pelo Presidente Donald Trump -- disse ao Comité dos Serviços de Inteligência do Senado, durante a sessão à porta fechada, que Sessions poderá ter tido um terceiro encontro -- até ao momento desconhecido -- com o embaixador russo nos Estados Unidos, Sergei Kislyak.O procurador-geral dos Estados Unidos anunciou, em março, que ia abster-se de acompanhar qualquer inquérito à campanha presidencial de Donald Trump, em 2016, após ter sido acusado de mentir sob juramento sobre contactos que manteve com o embaixador da Rússia em Washington.

Sessions admitiu então ter-se encontrado com o embaixador russo, Sergey Kislyak, mas afirmou que nunca falaram sobre qualquer tema da campanha eleitoral.

Contudo, Jeff Sessions, um dos primeiros apoiantes do Presidente, Donald Trump, e assessor político do então candidato republicano, não divulgou que manteve essas comunicações na audição da sua confirmação no cargo, em janeiro, altura em que foi questionado se "alguém afiliado" à campanha presidencial tinha tido contacto com os russos.

Lusa

  • Trump e Comey em "guerra aberta"
    2:24

    Mundo

    Está aberta a guerra pública entre Donald Trump e do diretor do FBI demitido pelo presidente. Trump chamou "bufo" e mentiroso a James Comey que esta quinta-feira prestou declarações no Senado. Comey acusou a Casa Branca de mentir e de o difamar, e não tem dúvidas de que o Governo russo tentou mesmo influenciar as eleições norte-americanas.

  • Vidas de fogo
    12:04

    Reportagem Especial

    Este ano durante o período mais crítico dos fogos, estão no terreno quase dez mil operacionais, a maioria bombeiros voluntários. A Reportagem Especial da SIC deste domingo "Vidas de fogo" dá a conhecer histórias de bombeiros que sobreviveram às chamas enquanto serviam o país.

  • Portugal "precisa avançar no trabalho" para reduzir crédito malparado
    1:36

    Economia

    Bruxelas recomenda e insiste que o Governo português avance no trabalho para resolver o crédito malparado. Em entrevista à SIC e ao Expresso, o vice-Presidente da Comissão para o Euro e Estabilidade Financeira, Valdis Dombrovskis, adianta que Bruxelas está também a preparar um Plano de Ação ao nível europeu.

    Entrevista SIC/Expresso

  • Líder do Daesh abatido durante fuga

    Daesh

    Um líder do Daesh e o assistente foram abatidos pela polícia iraquiana, em Mossul. A notícia é avançada pela agência EFE que esclarece que os dois homens terão sido mortos enquanto fugiam do Oeste para Este da cidade iraquiana através do rio Tigre.