sicnot

Perfil

Mundo

Procurador-geral dos EUA ouvido na terça-feira no Senado sobre alegada ingerência russa

Christopher Aluka Berry

O procurador-geral dos Estados Unidos, Jeff Sessions, vai ser ouvido, na próxima terça-feira, no Senado sobre a alegada ingerência russa nas eleições presidenciais norte-americanas em 2016.

."À luz das informações respeitantes ao recente testemunho de [Notes:James] Comey [Notes:ex-diretor do FBI] , diante do seleto Comité dos Serviços de Inteligência do Senado, é importante que eu tenha a oportunidade de abordar estas questões", anuncia Jeff Sessions, em comunicado.

Sessions argumenta que esta comissão da câmara alta do Congresso se afigura como o "fórum mais apropriado" para abordar "estes assuntos", atendendo a que "leva a cabo uma investigação e tem acesso a informação relevante e classificada".

O procurador-geral dos Estados Unidos não refere, porém, se a audição será pública ou se vai decorrer à porta fechada.O ex-diretor do FBI testemunhou publicamente na quinta-feira, mas também foi realizado um encontro com o comité à porta fechada para discutir assuntos envolvendo informações classificadas.

O procurador-geral dos Estados Unidos tinha previsto comparecer na terça-feira diante de dois subcomités do Senado.

No entanto, depois de alguns senadores democratas terem adiantado que pretendiam aproveitar a ocasião para o questionar sobre as suas supostas relações com o Kremlin e o seu papel na investigação da alegada ingerência russa nas presidenciais, Jeff Sessions decidiu falar diante do Comité dos Serviços de Inteligência.

Segundo os 'media' norte-americanos, o ex-diretor do FBI James Comey -- demitido em maio pelo Presidente Donald Trump -- disse ao Comité dos Serviços de Inteligência do Senado, durante a sessão à porta fechada, que Sessions poderá ter tido um terceiro encontro -- até ao momento desconhecido -- com o embaixador russo nos Estados Unidos, Sergei Kislyak.O procurador-geral dos Estados Unidos anunciou, em março, que ia abster-se de acompanhar qualquer inquérito à campanha presidencial de Donald Trump, em 2016, após ter sido acusado de mentir sob juramento sobre contactos que manteve com o embaixador da Rússia em Washington.

Sessions admitiu então ter-se encontrado com o embaixador russo, Sergey Kislyak, mas afirmou que nunca falaram sobre qualquer tema da campanha eleitoral.

Contudo, Jeff Sessions, um dos primeiros apoiantes do Presidente, Donald Trump, e assessor político do então candidato republicano, não divulgou que manteve essas comunicações na audição da sua confirmação no cargo, em janeiro, altura em que foi questionado se "alguém afiliado" à campanha presidencial tinha tido contacto com os russos.

Lusa

  • Trump e Comey em "guerra aberta"
    2:24

    Mundo

    Está aberta a guerra pública entre Donald Trump e do diretor do FBI demitido pelo presidente. Trump chamou "bufo" e mentiroso a James Comey que esta quinta-feira prestou declarações no Senado. Comey acusou a Casa Branca de mentir e de o difamar, e não tem dúvidas de que o Governo russo tentou mesmo influenciar as eleições norte-americanas.

  • ANACOM apresenta recomendações para melhorar redes de telecomunicações
    1:17

    País

    A ANACOM entregou um conjunto de recomendações ao Governo, Parlamento, municípios e operadores de telecomunicações. A autoridade reguladora em Portugal das comunicações eletrónicas propõe que os cabos aéreos de telecomunicações sejam substituídos por cabos subterrâneos, entre outras coisas. O objetivo é impedir que as redes fiquem em baixo perante incêndios ou outras catástrofes.

  • Ministra do Mar não aceita suspensão da pesca da sardinha
    2:39

    Economia

    O organismo científico que aconselha a Comissão Europeia em matéria de pescas recomendou esta sexta-feira que Portugal e Espanha não pesquem sardinha no próximo ano. A Ministra do Mar não aceita esta recomendação de capturas zero e vai propor uma redução do limite de capturas de sardinha das 17 mil toneladas deste ano para cerca de 14 mil em 2018.

  • Atividade económica regista crescimento

    Economia

    A atividade económica portuguesa está a crescer ao maior ritmo dos últimos 17 anos. O crescimento registado em setembro é o mais elevado desde janeiro de 2000. Já o consumo privado registou uma diminuição face a agosto.

    SIC