sicnot

Perfil

Mundo

Procurador-geral dos EUA ouvido na terça-feira no Senado sobre alegada ingerência russa

Christopher Aluka Berry

O procurador-geral dos Estados Unidos, Jeff Sessions, vai ser ouvido, na próxima terça-feira, no Senado sobre a alegada ingerência russa nas eleições presidenciais norte-americanas em 2016.

."À luz das informações respeitantes ao recente testemunho de [Notes:James] Comey [Notes:ex-diretor do FBI] , diante do seleto Comité dos Serviços de Inteligência do Senado, é importante que eu tenha a oportunidade de abordar estas questões", anuncia Jeff Sessions, em comunicado.

Sessions argumenta que esta comissão da câmara alta do Congresso se afigura como o "fórum mais apropriado" para abordar "estes assuntos", atendendo a que "leva a cabo uma investigação e tem acesso a informação relevante e classificada".

O procurador-geral dos Estados Unidos não refere, porém, se a audição será pública ou se vai decorrer à porta fechada.O ex-diretor do FBI testemunhou publicamente na quinta-feira, mas também foi realizado um encontro com o comité à porta fechada para discutir assuntos envolvendo informações classificadas.

O procurador-geral dos Estados Unidos tinha previsto comparecer na terça-feira diante de dois subcomités do Senado.

No entanto, depois de alguns senadores democratas terem adiantado que pretendiam aproveitar a ocasião para o questionar sobre as suas supostas relações com o Kremlin e o seu papel na investigação da alegada ingerência russa nas presidenciais, Jeff Sessions decidiu falar diante do Comité dos Serviços de Inteligência.

Segundo os 'media' norte-americanos, o ex-diretor do FBI James Comey -- demitido em maio pelo Presidente Donald Trump -- disse ao Comité dos Serviços de Inteligência do Senado, durante a sessão à porta fechada, que Sessions poderá ter tido um terceiro encontro -- até ao momento desconhecido -- com o embaixador russo nos Estados Unidos, Sergei Kislyak.O procurador-geral dos Estados Unidos anunciou, em março, que ia abster-se de acompanhar qualquer inquérito à campanha presidencial de Donald Trump, em 2016, após ter sido acusado de mentir sob juramento sobre contactos que manteve com o embaixador da Rússia em Washington.

Sessions admitiu então ter-se encontrado com o embaixador russo, Sergey Kislyak, mas afirmou que nunca falaram sobre qualquer tema da campanha eleitoral.

Contudo, Jeff Sessions, um dos primeiros apoiantes do Presidente, Donald Trump, e assessor político do então candidato republicano, não divulgou que manteve essas comunicações na audição da sua confirmação no cargo, em janeiro, altura em que foi questionado se "alguém afiliado" à campanha presidencial tinha tido contacto com os russos.

Lusa

  • Trump e Comey em "guerra aberta"
    2:24

    Mundo

    Está aberta a guerra pública entre Donald Trump e do diretor do FBI demitido pelo presidente. Trump chamou "bufo" e mentiroso a James Comey que esta quinta-feira prestou declarações no Senado. Comey acusou a Casa Branca de mentir e de o difamar, e não tem dúvidas de que o Governo russo tentou mesmo influenciar as eleições norte-americanas.

  • Vídeo mostra passagem da carrinha a alta velocidade nas Ramblas
    0:33

    Ataque em Barcelona

    O jornal espanhol El Pais divulgou hoje  as primeiras imagens da carrinha que matou 13 pessoas e feriu mais de 100 em Barcelona. O vídeo foi registado por  uma câmara de videovigilância de um museu nas Ramblas. Mostra pessoas a desviarem antes da passagem rápida da carrinha branca. Esta terá sido a parte final do percurso feito pelo veículo.

  • Castelo Branco aposta na cultura para preservar raízes e fomentar turismo
    5:26

    SIC 25 Anos

    Com perto de 200 mil habitantes, o distrito de Castelo Branco luta para criar projetos diferenciadores para atrair e ancorar a população. O desemprego tem vindo a baixar, numa região fortemente envelhecida. A capital do distrito aposta na cultura para preservar as raízes e fomentar o turismo, e a Universidade da Beira Interior tem cada vez mais alunos estrangeiros.