sicnot

Perfil

Mundo

Socialistas franceses falam em "queda sem precedentes da esquerda"

O secretário-geral do Partido Socialista francês, Jean-Christophe Cambadélis.

Vincent Kessler

O secretário-geral do Partido Socialista francês, Jean-Christophe Cambadélis, admitiu este domingo que a primeira volta das eleições legislativas ficou marcada pela queda "sem precedentes" da esquerda no seu conjunto e "principalmente" da sua própria formação.

Numa declaração à imprensa após serem conhecidas as primeiras projeções de voto, Cambadélis disse esperar que a segunda volta, no próximo domingo, não sirva para ampliar a maioria já estimada para o partido do Presidente Emmanuel Macron, A República em Marcha, mas sim para outorgar um maior pluralismo na câmara baixa.

Se se confirmar a maioria absoluta para o partido do Presidente, que poderá alcançar entre 390 e 430 dos 577 assentos, a França ficará com uma Assembleia Nacional "sem verdadeiro poder de controlo e sem um debate democrático digno desse nome", afirmou o socialista.

"Não é saudável nem desejável que um presidente eleito à segunda volta pela rejeição da extrema direita beneficie do monopólio da representação nacional", considerou Cambadélis, para quem a democracia francesa "não pode permitir-se estar doente".

Lusa

  • Confirmados dois novos casos de legionella

    Legionella

    Dois novos casos de legionella foram esta quarta-feira confirmados. A informação foi avançada em comunicado pela Direção-Geral da Saúde. Tratam-se de duas pessoas com mais de 80 anos, internadas no Hospital São Francisco Xavier e no Egas Moniz, ambas em situação clínica estável.

  • Quem é o novo Presidente do Zimbabué?
    2:15

    Mundo

    Emmerson Mnangagwa é o sucessor de Robert Mugabe que regressou esta quarta-feira da África do Sul, onde estava refugiado. No primeiro discurso, o Presidente do Zimbabué falou de uma nova democracia no país. Mnangagwa, conhecido como crocodilo, é suspeito de atrocidades na guerra civil pós-independência. 

  • Diminuem as hipóteses de salvar os tripulantes a bordo do submarino argentino
    3:09

    Mundo

    As hipóteses de salvar os tripulantes a bordo do submarino argentino, desaparecido há 8 dias, começaram a diminuir, uma vez que o chamado "tempo de segurança" já foi ultrapassado. A Marinha portuguesa está a acompanhar o caso do submarino que está desaparecido há oito dias. As hipóteses de salvar os tripulantes vão diminuindo.

  • Comprar um carro em segunda mão sem ser enganado 
    8:44
  • O que aprendemos com secas anteriores?
    32:50
  • Bebé polaco nasce bêbedo

    Mundo

    Uma mulher polaca de 34 anos deu à luz um bebé que nasceu bêbedo, devido ao elevado nível de alcoolismo da mãe.