sicnot

Perfil

Mundo

Dois mortos e 752 com intoxicação alimentar em campo de refugiados em Mossul

Campo de refugiados Hasansham ou Hasan Sham U2 em Mossul

Suhaib Salem / Reuters

Pelo menos duas pessoas morreram, uma criança e uma mulher, e 752 pessoas ficaram doentes depois de comerem comida estragada no campo de refugiados Hasan Sham U2 no leste de Mossul. A Arábia Saudita responsabiliza uma organização de caridade do Qatar pela entrega de comida estragada.

A ministra da Saúde iraquiana, Adila Hamoud, disse à Associated Press em Bagdade que 752 pessoas ficaram doentes ontem à noite depois de comerem a refeição para quebrar o jejum do Ramadão. A responsável confirmou que uma mulher e uma rapariga morreram e 300 pessoas estão em estado grave.

O Governo iraquiano iniciou uma investigação formal, enviando para o campo de refugiados o advogado Raad al-Dahlaki, responsável pela comissão parlamentar para a imigração e deslocados. Al-Dahlaki verificou que a comida continha arroz, feijão, frango e iogurte.

A comida tinha sido preparada num restaurante em Irbil e entregue no campo pela organização de caridade do Qatar RAF, avança a agência de notícias curda Rudaw.

No Twitter, a televisão saudita acusou a RAF de entregar comida estragada de propósito.

O campo de refugiados Hasan Sham U2 é um dos 13 construídos pelo ACNUR na área de Mossul onde atualmente estão 6235 pessoas.

  • "O ministro está na frigideira"
    5:33

    Opinião

    O ministro da Segurança Social, Vieira da Silva, "está cada vez mais numa posição fragilizada" devido às suspeitas de irregularidades na associação Raríssimas, diz o subdiretor de Informação da SIC, Bernardo Ferrão. Vieira da Silva já falou sobre o caso duas vezes, mas "sempre de forma algo atralhada" e "ainda não matou todas as dúvidas".

    Bernardo Ferrão

  • O que vai mudar nos recibos verdes
    2:55
  • Democratas não venciam no Alabama há 27 anos
    1:50