sicnot

Perfil

Mundo

Putin garante que não há discriminação contra minorias sexuais na Rússia

Jose Luis Gonzalez

O Presidente russo, Vladimir Putin, assegurou que no seu país não há qualquer discriminação sexual e sublinhou que a lei contra a propaganda homossexual apenas pretende proteger os menores.

O segundo dos quatro capítulos do filme "Entrevista com Putin", novo documentário do realizador Oliver Stone, foi emitido na noite de terça-feira no canal norte-americano Showtime e será retransmitido, na televisão russa, a partir de 19 de junho.

"Não temos nenhuma limitação ou repressão por motivos sexuais. E mais, muitas pessoas declaram abertamente a sua orientação sexual não tradicional. Mantemos contacto com elas. Muitas conseguem grande sucesso nas suas carreiras profissionais e, inclusivamente, recebem prémios estatais", disse o líder do Kremlin.

Quanto à polémica lei contra a 'propaganda homossexual' entre menores, que, entre outras medidas, proíbe marchas de orgulho gay, "a sua lógica é deixar que as crianças cresçam num ambiente tranquilo, sem afetar a sua consciência", afirmou.

"Quando crescerem podem decidir livremente como viver a sua vida, incluindo a sexual. A partir do momento em que [um menor] se torna maior de idade, não há qualquer tipo de restrição", assinalou Putin.

A lei contra a 'propaganda homossexual', símbolo da homofobia na Rússia, foi promovida por políticos que se declaram religiosos, como o deputado Serguéi Milónov, que afirmou que os homossexuais são pessoas "com tendência para o vício e o pecado".

Putin falou, também, ao realizador norte-americano sobre os motivos pelos quais a Rússia é um "Estado tradicional autoritário".

"Durante quase mil anos, o nosso Estado construiu-se como uma monarquia. Após a revolução de 1971, os comunistas chegaram ao poder e Estaline colocou-se à frente do Estado. Só no início dos anos 1990 se deram acontecimentos que iniciaram uma nova etapa de desenvolvimento da Rússia", afirmou.

Lusa

  • Putin optou por novo mito que recupera imagem do czar Nicolau II

    Mundo

    O especialista em história da União Soviética, Robert Service, considerou que o Presidente da Rússia, Vladimir Putin, optou pela construção de um novo mito nacional que inclui a recuperação da imagem de Nicolau II, executado em 1918. "Nicolau II recuperou o respeito público na Rússia, desde 1991, com a desintegração da União Soviética. E o atual Presidente, Vladimir Putin, que sucedeu a Ieltsin em 2000, encorajou um continuado respeito pelos Romanov executados", assinalou, em declarações à Lusa, o académico e investigador britânico, que se encontra em Lisboa para apresentar o seu livro "O Último dos Czares".

  • Hipnose e água benta para curar a homossexualidade

    Mundo

    A homossexualidade continua a ser um tema controverso na Rússia. A mais recente polémica foi a oferta de tratamentos para homossexuais, com água benta e hipnose. Um psicoterapeuta revelou as três fases do seu "tratamento", que já "curou" 78 homossexuais; e um padre contou como conseguia mostrar às pessoas que a homossexualidade é um pecado. Há ainda o testemunho de uma criança que foi obrigada a ser "curada".

  • A estreia de Centeno como líder do Eurogrupo
    1:56
  • Puigdemont chegou à Dinamarca e não foi detido

    Mundo

    A Justiça espanhola pediu à Dinamarca para ativar a ordem de detenção europeia contra Carles Puigdemont, que ignorou as ameaças de detenção e decidiu deslocar-se a Copenhaga para participar numa conferência. Entretanto na Catalunha, o presidente do parlamento propôs Puigdemont para voltar a dirigir o Governo Regional.

  • Eleição de Rio "embaraça" PCP e BE
    0:34

    Opinião

    Luís Marques Mendes considera que a eleição de Rui Rio veio criar embaraço ao PCP e Bloco de Esquerda. O comentador da SIC considera que a promessa de que venha a haver pactos de regime entre PS e PSD é motivo de preocupação para os parceiros do Governo.

    Luís Marques Mendes

  • O caso Assange é "um problema" para o Equador

    Mundo

    O Presidente equatoriano, Lenin Moreno, declarou no domingo que o asilo atribuído ao fundador do WikiLeaks, Julian Assange, pela embaixada do Equador em Londres desde 2012 é "um problema herdado" que constitui "mais que um aborrecimento".