sicnot

Perfil

Mundo

Siamesas de dez meses separadas após cirurgia de 11 horas

Ed Cunicelli

As siamesas de dez meses foram separadas através de uma cirurgia que demorou cerca de 11 horas, num hospital pediátrico no estado norte-americano da Pensilvânia.

Erin e Abby Delaney partilharam durante dez meses os vasos sanguíneos e uma membrana que protegia os cérebros de cada criança.

As gémeas do estado norte-americano da Carolina do Norte estão a recuperar e, pela primeira vez, foram colocadas a dormir em camas separadas.

A equipa médica demorou cerca de 11 horas a separar as cabeças das crianças e diferenciou o material cirúrgico com as cores verde e roxo.

Ed Cunicelli

Erin e Abby Delaney nasceram permaturas em julho do ano passado.

O Hospital Pediátrico de Filadélfia, na Pensilvânia, já separou 23 gémeos siameses nos últimos 60 anos, mas este foi o primeiro caso em que as gémeas estavam ligadas pelo topo do crânio.

"Separar gémeos siameses é uma cirurgia muito complexa, seguida de uma longa e complicada recuperação, mas estamos confiantes de que a resposta vai ser positiva", afirmou Jesse Taylor, o cirurgião plástico que participou na cirurgia das gémeas Erin e Abby Delaney, citado pelo jornal britânico The Independent.

  • Vídeo mostra passagem da carrinha a alta velocidade nas Ramblas
    0:33

    Ataque em Barcelona

    O jornal espanhol El Pais divulgou hoje  as primeiras imagens da carrinha que matou 13 pessoas e feriu mais de 100 em Barcelona. O vídeo foi registado por  uma câmara de videovigilância de um museu nas Ramblas. Mostra pessoas a desviarem antes da passagem rápida da carrinha branca. Esta terá sido a parte final do percurso feito pelo veículo.

  • Castelo Branco aposta na cultura para preservar raízes e fomentar turismo
    5:26

    SIC 25 Anos

    Com perto de 200 mil habitantes, o distrito de Castelo Branco luta para criar projetos diferenciadores para atrair e ancorar a população. O desemprego tem vindo a baixar, numa região fortemente envelhecida. A capital do distrito aposta na cultura para preservar as raízes e fomentar o turismo, e a Universidade da Beira Interior tem cada vez mais alunos estrangeiros.